Inicio Vinhos Critica

Critica

Fernando Melo: os vinhos que queremos em 2021

Estamos no início de um novo ano que todos queremos que seja também um novo ciclo. Não há melhor momento para pedir aos produtores que se perfilem para nos fazer todas as vontades.

Quinta do Crasto Vinha da Ponte 2016

Apenas produzido em anos de qualidade excecional, a nova edição do Quinta do Crasto Vinha, proveniente de uma vinha com apenas 1.96 hectares, a emblemática Vinha da Ponte, uma das vinhas centenárias da Quinta do Crasto (mais de 100 anos), raro exemplar do terroir de excelência do Douro.

Douro tinto por menos de €10: Vinhos ambiciosos, compras inteligentes

Foram 36 os “candidatos” tintos e durienses com preços em euros até ao redondo 10, e o conjunto mostrou ser campeão na relação qualidade-preço, revelando frescura e complexidade. Será este segmento a compra inteligente do Douro?

Quinta Nova Vintage Porto 2018

É na concentração, na estrutura e na robustez que se definem os grandes Vinhos do Porto. É o caso do Quinta Nova Vintage Porto 2018 disponível numa quantidade limitada a 1350 garrafas

Crítica: os vinhos mais pontuados de 2020

Esta lista é composta pelos 13 vinhos que receberam as pontuações mais altas nas escolhas do nosso crítico Fernando Melo, entre as notas de prova que foram publicadas em 2020. Para o efeito, foram considerados apenas os vinhos com classificação a partir de 19 (num total de 20 pontos).

Vinho em tempo de festas: Que não falte alegria

Levar à mesa os melhores vinhos nesta quadra festiva manchada pela pandemia é uma afirmação do desejo de vencer – e de viver.

Taylor’s Single Harvest 1970, já disponível

Desde 2014 que a Taylor’s, emblemática casa de Vinho do Porto, partilha com o mercado alguns exemplares das suas extensas reservas de vinhos do Porto envelhecidos em madeira, preservados com paciência e mestria nas icónicas Caves em Vila Nova de Gaia durante meio século.

Quando o vinho chama: Beber com razão (e sem a perder)

Bebemos vinho pelas mais variadas razões: saúde, prazer, sociabilidade, cultura, celebração, ritual e romance, entre outras. Fernando Pessoa, poeta genial e consumidor militante – era vê-lo “decilitrar” no Abel Pereira da Fonseca! –, resumiu-as em dois versos: “Ora o vinho bebemos porque é festa, / Ora o vinho bebemos porque há dor”.

Qualidade e carácter: Três vinhos de castas portuguesas

Um tinto do Dão, um branco do Douro e outro do Minho, cada qual retratando bem o seu território de origem. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva

Bons parceiros da mesa: Três vinhos, cada um com o seu encanto

Quando um vinho se impõe pela sua qualidade, que está acima, e muito, do respetivo preço; quando outro surpreende ao apresentar-se com a mesma marca de alguns dos mais famosos vinhos do Porto e ao revelar-se digno de pertencer à família deles; e quando um terceiro vinho convence, não pelo seu estatuto de clássico alentejano, mas pelo seu carácter regional, sentimo-nos bem com o que temos.

Receitas