Inicio Opinião

Opinião

Vinho d’alhos

Três ou quatro dias depois de se desfazer o porco – ao desfazer-se, experimentavam-se as carnes na brasa, só com sal, forma empírica de se perceber se o rigor mortis tinha corrido bem e se iriam ser boas para os salpicões e linguiças, já que para os presuntos e espáduas havia ainda que lhes dar tempo no sal – havia um cheiro inconfundível e bom que vinha dos tachos de barro em que, no chão da despensa, se dispunham os vários vinhos d’alhos (dito assim mesmo, no masculino e com um apóstrofo, como era escrito nas receitas e nas cartas em que se contava da matança do porco como um acontecimento, que o era, para as casas de amigos e primalhada) com as diversas carnes.

Castanhas, Inverno, alheiras e couves-penca

Numa merenda de tarde de Inverno em casa do António Vila Franca, em Lamas de Podence, há uns anos, aprendi imenso, ao vê-lo a esfarelar três ou quatro castanhas cozidas sobre uma malga de caldo verde, feito pela Assunção, daqueles em que as couves sabem a couves, e só depois a desenhar-lhe um fio de azeite por cima. Foi dos melhores caldos-verdes da minha vida, ali à lareira, na tábua preguiceira do escano, nevava lá fora!

Rally de Portugal e tardes de vinho quente

Não sei porquê nem me lembro quando, mas era outono ou inverno, o que, em Trás-os-Montes, nesses anos, era quase a mesma coisa: fazia frio, vento, chovia há dias e toda a gente dizia que com um ou dois graus a menos, seria neve. A Estalagem desse tempo era ainda a primeira Estalagem do Caçador, construída como se fosse um hotelzinho suíço ou austríaco, um ponto focal para quem deambulasse naquelas terras longínquas, a horas e horas do Porto.

Beber pelo interior

Todos dizem que este ano foi uma vindima atípica, generosa para alguns, mais avara para outros, difícil para quase todos: sol a mais e chuva a menos, chuva a mais e tempo a menos para a pressa que teve de dar para se porem as uvas no lagar. Está agora aí o Verão dos marmelos para o lavar de cestos e conjecturas numéricas.

Prefiro preferir

Na última vez que aqui tive o privilégio de escrever “traí” as minhas preferências habituais por uma festa. Como já tinha revelado antes que preferia picante, resolvi fazer uma festa com os picantes do Piri Piri do Pine Cliffs e hoje estou arrependido. Não que o picante me tenha feito mal…

Marta Costa e os filetes divinos

Podemos escrever maravilhas sobre um restaurante onde só fomos uma vez? Podemos, se passados quatro meses ainda sonharmos com os filetes de pescada que por lá nos deliciaram. E não só podemos como devemos escrever se, quando voltarmos a Valongo, a primeira coisa que queiramos fazer é ir ao restaurante de Marta Costa

Trás-os-Montes e Valle Pradinhos

Os vinhos de Trás-os-Montes, eruditos pelo seu passado bimilenário, conjugam-se e declinam-se em diversos modos, tempos, pessoas, géneros e números. Têm um fundo comum, étimo fundacional, raiz ancestral, segredo de carácter: a sua honestidade.

Mesa. “Tão sempre a mesma”

Raros objectos têm uma presença na vida humana tão constante e inadvertidamente importante como o que chamamos mesa. Claro que tem uso individual, mas, habitual e, reiteramos, despercebidamente, ela impõe-se como um centro íntimo de sociabilidade. 

Pão, sopa, filhós

A arte de bem comer não vem só da infância, claro, senão ninguém comia peixe, espinafres, mão de vitela. As pessoas crescem também no gosto, e é hoje raro encontrarmos um amigo que «não gosta de peixe» porque uma vez em criança a mamã se esqueceu de tirar uma espinha e ficou traumatizadinho.

No princípio era o pão

Na tradição ocidental, o pão sempre foi a base da alimentação e acompanhamento para tudo e em todos os momentos. Será que deixou de ser? 

Receitas