Manuel Serrão

Prefiro conciliar

Com 30 anos, achamos sempre que temos outros 30 para mudar de vida. Mudar de amigos e de mulher. De gostos e de preferências. Do verde para o maduro. Do branco para o tinto. Do tawny para o vintage. Do Serra para o Serpa. Da carne para o peixe. Da tasca para o restaurante.

Prefiro não namorar

Onde o namoro está repleto de oportunidades desperdiçadas é na nossa relação com os vinhos. Durante anos segui a doutrina que nos ensinava e cultivava a necessidade de um longo namoro com a garrafa antes de a abrir e consumir.

Prefiro regressar

No princípio dos tempos, em que esta crónica ainda não era nascida, foi a discussão do verbo que a fez nascer. Uma espécie de combate de verbos, ainda que o verbo combater aqui apareça como aparece no combate dos chefs.

Prefiro Vintage

Quando provei um Vintage pela primeira vez, apercebi-me logo dessa prova dos nove. Fiquei a saber que os novos também contam num campeonato tão duro como duriense.

Prefiro picante

Nesta vida em que me tenho aguentado sempre preferi tudo o que me dava pica. Não se estranha então que no que toca a tudo que como, prefira picante.

Prefiro desconfinar

Ao contrário do que é o entendimento geral para gente desconfiada, nestes tempos de pandemia, uma lampreia desconfinada é uma luz ao fundo do túnel. Digestivo.

Prefiro os brancos

Nunca fui pessoa de me preocupar com os títulos mas depois de mais de 30 anos a intervir na comunicação social não posso fingir que desconheço a força que um título tem.

Receita a experimentar