Quinta da Lapa: Estórias de um lugar no Tejo

A experimentar

Não basta produzir vinhos de qualidade. Também é necessário construir boas estórias para os ajudar a vender. Esta é a parte que Silvia Canas Costa, a responsável pela área comercial e de comunicação e marketing da Quinta da Lapa gosta mais: “a procura de vinhos que contem estórias”. Foi por isso que se envolveu, pessoalmente, na criação dos rótulos das novas referências Fernão Pirão, Clarete e Castelão Clássico da casa, “três vinhos que reflectem o revisitar das tradições do Tejo, uma região difícil de comercializar, que foi um pouco abandonada durante algum tempo devido a muitos disparates que foram sendo feitos”, diz a responsável, que pertence à família proprietária, defendendo, no entanto, que hoje “está a melhorar muito”. Não só pelo trabalho feito pela Quinta da Lapa, mas também pelos outros produtores e pelos novos projectos que estão a nascer. “É importante estarmos todos a puxar pela região”, defende.
A ideia de lançar um clarete, a primeira inovação que surgiu, resultou de um convite do Professor Virgílio Loureiro, do Instituto Superior de Agronomia, para participar numa prova deste tipo de vinhos. “Depois de o fazer, achei que era bom enveredar também por este caminho”, conta, acrescentando que ela e a sua equipa optaram por o fazer através da co-fermentação de uvas de Castelão com Fernão Pires, 50% de cada.

Continue a ler o artigo em Vinho Grandes Escolhas.

Últimas