Ferrugem 2.0: a maturidade de um restaurante improvável

A experimentar

Indissociável do nome do fundador e chef, Renato Cunha, que há 18 anos teve o arrojo de abrir um restaurante na pacata aldeia de Portela, o Ferrugem chega à maioridade a olhar para o futuro. “Ir com sede ao pote” é um dos vértices do novo projeto que desenha com a esposa, a arquiteta Anabela Rodrigues. Mas há mais: alojamento, criação de animais, horta biológica e eventos marcam a nova fase de um restaurante que sabe a regresso a casa.

Todos os anos, entre a primavera e o verão, uma legião de fãs parte rumo à aldeia de Portela, em Famalicão. O objetivo é passar o dia entre música, cozinha de fogo em potes de ferro, onde se preparam sem pressas receitas tradicionais da região, e vinhos de produtores convidados, para um serão descontraído ao ar livre. A iniciativa, que começou em 2020, quando a pandemia era pouco tolerante com espaços fechados, instala-se nos jardins da Casa Ana Monteiro, a dois passos do Ferrugem, e já tem datas para 2024: de 25 de maio a 5 de outubro, sempre ao sábado, das 17h00 às 22h00, a nova edição conta com 10 eventos que pode consultar em detalhe aqui.

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas