Investigadores de Matosinhos em projeto para combater desperdício do pescado

A experimentar

Investigadores do Laboratório Colaborativo para a Bioeconomia Azul (B2E), em Matosinhos, integram um projeto que pretende encontrar novas ferramentas para determinar a qualidade do pescado, promovendo a segurança alimentar e combatendo o desperdício, foi hoje revelado.

Em comunicado, o laboratório esclarece hoje que o projeto, intitulado Vertical Fish, enfrenta “dois desafios críticos: a garantia da qualidade do pescado e a sustentabilidade na aquacultura”.

Liderado pelo grupo MC Sonae e enquadrado no Pacto da Bioeconomia Azul, o projeto é financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Com as alterações climáticas a afetarem os ecossistemas marinhos, os investigadores vão procurar “soluções inovadoras” para identificar as variações morfologias, estruturais e moleculares do pescado.

Recorrendo a ‘softwares’ de processamento de imagens e ‘kits’ de deteção rápida de alterações bioquímicas, o objetivo do projeto é “aferir a qualidade do pescado, identificando precocemente casos que comprometam a segurança alimentar”.

Tal permitirá “melhorar a qualidade” e “reduzir o desperdício do pescado”.

Citada no comunicado, a diretora de Qualidade e Investigação da MC, Ondina Afonso, salienta que o projeto pretende “tornar mais eficiente o processo de avaliação da qualidade do pescado e otimizar as metodologias de rastreabilidade da origem e ao longo de toda a cadeia de valor”.

Numa primeira fase, o projeto irá analisar detalhadamente os dados por forma a identificar potenciais causas e os problemas que afetam a qualidade do pescado. Posteriormente, vão ser usadas metodologias de rastreio para detetar “práticas fraudulentas” relacionadas com a origem do pescado.

Já na fase final está previsto o desenvolvimento de tecnologias que permitam avaliar a qualidade do pescado por imagem e com recurso a ‘software’ inteligente.

“Estas metodologias permitirão ações mais ágeis e eficazes na identificação e resolução de problemas relacionados com a segurança alimentar”, salienta Ondina Afonso.

Ao longo do projeto, que termina no final de 2025, serão também desenvolvidos “sistemas modulares inovadores” tendo em vista o desperdício zero no setor da aquacultura.

Estes sistemas permitirão a “reutilização de diferentes nutrientes em várias etapas da produção, utilizando organismos de baixo nível trófico”, como macroalgas e outros invertebrados, que permitirão “otimizar a eficiência produtiza, reduzir os custos operacionais e promover práticas mais sustentáveis”.

Além do B2E e da Sonae MC, o projeto conta com a participação de várias empresas, universidades e centros de investigação, como o A4F, SA – Algae for Future, o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR), Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, INESC-TEC, Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Neadvance, Seaentia, Universidade de Aveiro e Universidade do Minho.

Últimas