Enoturismo no Douro

A experimentar

Não é por acaso que a paisagem do Alto Douro Vinhateiro é Património Natural da Humanidade da UNESCO desde 2004. São os socalcos esculpidos pela mão do homem nas margens xistosas do rio Douro, que tornam esta região tão especial, cheia de história e claro, com vinhos incomparáveis!

Se as Caves do Vinho do Porto em Vila Nova de Gaia são já uma paragem obrigatória para quem visita a cidade do Porto, as quintas no Douro exigem um pouco mais de tempo e espírito de aventura para serem visitadas.

Mas, garantidamente, todo o esforço do caminho é recompensado quando se vir no alto de uma das margens do rio Douro, com um copo de vinho na mão a apreciar uma vista única no mundo!

enoturismo no douro

Conhecer a região Demarcada e Regulamentada mais antiga do mundo – definida em 1756 – pode ser feita de várias maneiras. Pode ser por estrada ou desde o rio, através de passeios de barco.

Já outra experiência inesquecível é percorrer as vinhas da região, de comboio sempre junto às águas do Douro. Tudo isto são oportunidades de Enoturismo no Douro que não devem ser perdidas.

Cidades a visitar: Porto, Vila Real, Peso da Régua, Lamego

Vinhos

Principais castas brancas: Rabigato, Códega do Larinho, Viosinho

Principais castas tintas: Touriga Nacional, Touriga Francesa, Tinta Roriz, Tinta Barroca, Tinto Cão, Sousão

As vinhas do Douro originam dois tipos de vinho muito distintos: os vinhos de mesa ou tranquilos – denominado de Vinho do Douro – e os vinhos fortificados do Porto.

Os vinhos do Douro são encorpados, muito elegantes e com longo final de boca. Os Vinhos do Porto são um pouco mais complexos em sabores. Do doce Ruby (incluindo Vintage e LBV) aos Tawny, dos brancos Dry e Extra Dry, há uma impressionante gama de vinhos para explorar!

enoturismo douro

Roteiro de 3 dias no Douro

| 1º DIA |

Almoço na Quinta da Pacheca seguido de actividade de winearella

A Quinta da Pacheca já atravessou três famílias e quase 300 anos de actividade. Hoje, continuar a ser uma referência de vinhos e enoturismo no Douro e sempre a inovar. Um dia na região pode começar por almoçar no restaurante The Wine House onde o Chef transmontano Carlos Pires prepara pratos bem caseiros e tradicionais.

A refeição pode ser acompanhada por um dos 34 vinhos produzidos na quinta entre vinhos de mesa, Vinhos do Porto, Moscatel e colheita tardia.

Depois de almoço, passe pelo Atelier d’Or do Óscar Rodrigues, o artista residente da quinta e dê asas à sua imaginação fazendo uma winerella, ou seja, uma pintura onde as tintas são os diferentes vinhos da Quinta da Pacheca. Vai ver que se vai surpreender.

Jantar e dormida na Quinta da Casa Amarela

A Quinta da Casa Amarela e a família Regueiro sabem bem como produzir vinho e receber visitantes no seu cantinho do Douro. Actualmente, têm 15 hectares de vinha plantados em redor das duas casas assim como oliveiras, pereiras, ameixieiras e outras árvores de frutos, estes apenas para consumo da casa.

À beira da piscina, com um copo de vinho na mão, a família contou que depois da viticultura, produção de vinho e do enoturismo, sentiram falta de um alojamento rural assim como de uma sala de envelhecimento em barricas. E assim nasceram as Casas da Quinta Amarela! O alojamento é composto por 4 quartos: Ruby, Vintage, Tawny e LBV.

Continue a ler o artigo em Entre Vinhas.

Últimas