Equilibrada, saudável e saborosa, a alta cozinha madeirense brilha em novo restaurante no Funchal

A experimentar

Com foco na gastronomia sustentável centrada na valorização dos produtos locais, na cozinha saudável e cheia de sabor, estreou-se no último verão o Horta. O mais recente restaurante do grupo PortoBay conta com o cunho do chef Benoît Sinthon
Há um ano, o chef Benoît Sinthon falava sobre a implementação de um restaurante direcionado para os produtos hortícolas e as frutas da ilha da Madeira, com localização privilegiada na promenade do Lido, no Funchal. A ideia era evidenciar a matéria-prima da horta PortoBay. Com uma área de 5000 m2, localizada na freguesia de São Martinho, tem vindo a impulsionar, desde 2016, a sustentabilidade ambiental, social e económica da “Pérola do Atlântico”.

Beringela com couscous libanês

Escolhido estava também o chef que iria ficar responsável pela cozinha do Horta. Chama-se Santiago Anolles, é natural do Uruguai e veio diretamente da cozinha do restaurante vegetariano El Invernadero, em Madrid, para a capital do arquipélago da Madeira. Durante alguns meses permaneceu lado a lado com Benoît Sinthon, no sentido de partilharam conhecimento e experiências no âmbito da gastronomia vegetariana. Tudo foi pensado em pormenor, desde as fichas técnicas à escolha das louças e de toda a parafernália indispensável na cozinha de um restaurante.

Em junho de 2023, abrem-se as portas do Horta, precisamente na promenade do Lido. “Aqui, o objetivo é trabalhar com vegetais, fazer deles o principal ingrediente do prato e potenciar o sabor de cada um. Alguns são cozinhados ao sal, como se faz com o ‘peixe ao sal’”, esclarece o chef Santiago Anolles, dando como exemplo a beterraba e o nabo. Uma parte dos hortícolas é proveniente da horta PortoBay, “mas também há de outros produtores da ilha”, acrescenta o chef uruguaio, de modo a contribuir para a produção local.

Dada a importância da gastronomia vegetariana no Horta, marca presença a inspiração na cozinha libanesa. Prova disso são a como a “Falafel” (€12), a “Beringela com couscous libanês” (€12) ou o “Húmus de pimentos assados e cenouras da horta” (€12,50). Pelo meio, há “Cousous de couve-flor e mango” (€12,50) ou “Carpaccio de beterraba” (€12,50).

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas