Presidente da ERT confia que Cidade do Vinho 2024 impulsionará o Turismo no Ribatejo

A experimentar

O presidente da Entidade regional do turismo do Alentejo e Ribatejo (ERT), José Manuel dos Santos, acredita que a cidade do vinho 2024, organizado pelos municípios de Almeirim, Alpiarça, Cartaxo e Santarém, vai impulsionar o turismo na região.

Em declarações à Lusa, José Manuel dos Santos, considera que esta iniciativa “vai dar mais notoriedade ao Ribatejo” não só no mercado nacional mas também na zona transfronteiriça com a Espanha.

“O vinho é um tema que promove muito território e a nossa expectativa é que o Ribatejo possa ser um destino e uma região mais falada no mercado nacional e na zona fronteiriça com a Espanha”, disse José Santos à Lusa.

A cidade do vinho 2024 resulta de iniciativa conjunta dos municípios de Almeirim, Alpiarça, Cartaxo e Santarém, que se candidataram ao projeto “Cidade Portuguesa do Vinho”, organizado pela Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV).

A ideia de candidatura à Cidade do Vinho 2024 surgiu do Pelouro do Apoio ao Desenvolvimento Agrícola do Município de Santarém, e que rapidamente se estendeu aos Municípios de Alpiarça e Almeirim e seguidamente ao Município do Cartaxo.

“O vinho e a vinha assumem-se como determinantes da paisagem e da identidade sociocultural dos quatros concelhos. Podemos dizer que o poder do vinho reuniu os 4 Municípios, pois o Ribatejo e a Região do Tejo são uma das mais antigas regiões produtoras de vinho de Portugal, mas nunca tinham sido Cidade do Vinho”, explicou o vereador da Câmara Municipal de Santarém, Nuno Russo, à Lusa.

Segundo o autarca esta iniciativa tem como objetivo valorizar a riqueza, a diversidade e as características comuns da cultura da vinha e do vinho, contribuindo não só “para a valorização do território vinhateiro” mas também “para o desenvolvimento económico, social e cultural da nossa região”.

Para o efeito, vão ser desenvolvidas várias atividades, distribuídas pelos quatro Municípios, e que contarão com a participação de 75 entidades (nacionais, regionais, locais e produtores) que, segundo Nuno Russo, “irão valorizar, dinamizar e promover este projeto, que consideramos de grande relevância para o desenvolvimento do território, em todas as suas vertentes”.

De acordo com José Santos, a ERT vai ajudar os municípios na comunicação desta iniciativa, falando da capital do vinho, das suas iniciativas e das quatro localidades que são alvos deste evento.

Segundo o mesmo, está prevista uma verba para comunicar esta iniciativa “e tudo aquilo que gira à volta dela, desde a gastronomia, passando pelos restaurantes, até aos vinhos da lezíria do Tejo”.

O presidente da ERT acredita ainda que esta iniciativa vai ter um impacto positivo na economia da região pois “o vinho, que tem tido um papel cada vez mais importante no turismo, tem a capacidade de atrair pessoas que se interessam e mergulham nas raízes deste território”.

O evento inaugural que marcou o arranque da iniciativa ocorreu no passado dia 27 de janeiro, em Alpiarça, onde foi apresentado o programa anual de eventos, iniciativas culturais, programas de formação e ações de sensibilização dedicadas ao universo do vinho.

Últimas