Quinta da Lagoalva faz rebranding e estreia Fernão Pires em monocasta

A experimentar

A Quinta da Lagoalva – projeto de vinhos da família Holstein Campilho , situada em Alpiarça e uma das maiores e mais antigas propriedades da região dos Vinhos do Tejo – elegeu 2023 como um ano de mudança, materializada no rebranding do logótipo e dos rótulos do seu portefólio de vinhos, que vão chegar ao mercado até ao final do ano, à medida que são lançadas novas colheitas. A isto soma-se a aposta na casta bandeira da região, com a estreia do Quinta da Lagoalva Grande Reserva Fernão Pires e de uma outra referência, a revelar em breve. Liderada por Pedro Pinhão, administrador e diretor de enologia – em parceria com o enólogo Luís Paulino –, esta dinâmica surge no âmbito do movimento de promoção desta casta, promovido pela Comissão Vitivinícola Regional dos Vinhos do Tejo, a nível nacional e internacional.

A nova imagem foi desenvolvida pela agência portuguesa de design e publicidade OM Design, em estreita colaboração com as equipas de enologia, comercial e enoturismo da Quinta da Lagoalva. Criativos e designers visitaram a quinta e imergiram no universo da Lagoalva, a fim de captarem a sua essência e alguns dos elementos mais marcantes, que vieram a integrar os novos rótulos, em imagem e em textos – escritos com o apoio da família e de alguns dos trabalhadores mais antigos. Uma forma de homenagear o legado desta icónica propriedade, com 830 anos de história e 660 hectares contíguos, dos quais 42 são de vinha e 16 de olival.

O logótipo, elemento marcante nos atuais rótulos, manteve o ferro da coudelaria Quinta da Lagoalva – alusivo à Marquesa de Tancos, tia-avó dos proprietários – como símbolo. Assumindo o legado histórico, passou a integrar a menção ‘Circa 1193’, data do primeiro registo da Quinta da Lagoalva. (…).

Continue a ler o artigo em Enoturismo de Portugal.

Últimas