Intermitências palacianas à mesa de um restaurante carregado de história

A experimentar

O charme do século XVIII num ambiente moderno e elegante, onde à mesa se pede mais ânimo.

“Palavra de honra! Quando cheguei e vi no Marrare aquela loja de sapateiro que lá está agora, percebi que há uma cidade mais devastada ainda do que Veneza… — é Lisboa!” A frase é de Júlio César Machado, ao constatar em 1866, após regressar de Itália, que o café Marrare do Polimento tinha fechado. Segundo o escritor: “Portugal é Lisboa, Lisboa é o Chiado, e o Chiado era o Marrare.” A restauração, o comércio e a dinâmica citadina deste século XXI tem alguns pontos em comum com o último terço do século XIX.

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas