Tendências Enoturismo 2024

A experimentar

Por muitas voltas que o mundo dê, o enoturismo está em crescimento e evolução. Ficam aqui sete tendências do enoturismo para 2024!

Antes de falar em tendências de Enoturismo para 2024, vamos a uma definição. O que é uma tendência? Propensão; inclinação; disposição; propósito.

A cada ano que passa, o Enoturismo ganha mais propósito, torna-se mais disponível a novos públicos, inclina-se para diferentes formatos mas sempre com propensão a crescer.

Não tenho uma bola de cristal e, nos dias que correm, é mesmo muito difícil fazer previsões seja para o que for. No entanto, com base em viagens, visitas a adegas, conversas com produtores de vinho e alguma pesquisa, junto neste artigo sete tendências para o Enoturismo em 2024.

1. Integração de Tecnologia: Inteligência artificial e Redes Sociais

 

O uso da tecnologia, inteligência artificial e as plataformas digitais serão fundamentais para melhorar a experiência geral do enoturismo.

Não tenha medo da inteligência artificial porque esta, quando usada de forma sensata, pode ser uma grande aliada do seu negócio. Seja na procura de conteúdos, na criação de actividades mais interactivas, seja na recolha de histórico e informação sobre os seus visitantes, conhecimento dos seus hábitos de consumo e a sua evolução.

Considere também criar parceria com plataformas de reserva on-line e aplicativos móveis que forneçam ao visitante informações sobre a sua adega, vinhos e eventos. Estes canais estão a ser cada vez mais usados no momento da pesquisa e funcionam como bons pontos de ligação entre o seu enoturismo e o cliente.

No que toca às redes sociais, estas continuam a desempenhar um papel significativo na promoção do enoturismo. É fundamental estar presente em plataformas como Instagram, Facebook e TikTok (não obrigatoriamente todas ao mesmo tempo, se preferir, escolha uma e invista o seu tempo nessa) para mostrar os seus vinhos, vinhas, oferta enoturistica e eventos ao longo do ano.

Ser criativo na forma como comunica a actividade da sua adega é meio caminho andado para atrair novos visitantes e mesmo novos públicos!

2. Turismo de experiência e parcerias

“Experiência” é uma das palavras do momento. É o que as pessoas mais valorizam e onde mais dinheiro estão dispostas a gastar. A criação de memórias em torno do vinho vale muito mais do que a compra de uma garrafa e é isso que o enoturismo faz.

Mas é importante ter em atenção a variedade e inovação. Para tal, precisa conhecer a oferta enoturística das adegas em torno da sua, de forma a não repetir e poder oferecer algo diferente ao seu visitante. Ao diversificar a oferta, todos ganham!

Considere, por isso, criar parcerias com outras adegas locais, assim como restaurantes e outras empresas turísticas para enriquecer a experiência global do visitante na sua região.

Trabalhar em rede e criar parcerias, é a melhor forma de fazer crescer a sua região e proporcionar ao enoturista uma experiência vínica muito mais genuína e imersiva.

3. Regiões Vitivinícolas Emergentes

 

Embora as regiões vinícolas tradicionais permaneçam populares, há um interesse crescente em explorar vinhos de regiões emergentes. Os visitantes procuram destinos vínicos únicos e por descobrir, contribuindo para o crescimento do enoturismo em zonas menos tradicionais.

Falando de forma mais abrangente, Portugal é ainda um destino enoturistico emergente, pouco explorado e, por isso, ainda representa novidade para muitos amantes de vinho por todo o mundo. Se por um lado o turismo no nosso país já cresceu tanto e atingiu, nos últimos 5 anos, valores ao nível de muitos outros destinos mundiais, o enoturismo continua a ser uma actividade de nicho com muito para crescer.

Continue a ler o artigo em Entre Vinhas.

 

Últimas