Pena d’Água Boutique Hotel, Restaurante Açafrão e Taberna A Laranjinha | Sob o manto da Estrela

A experimentar

Se as coisas são inatingíveis, não é motivo para não as querer. Que tristes seriam os caminhos se não fosse a presença distante das estrelas.” Mário Quintana

Era uma vez, nas vastas terras da Serra da Estrela, um pastor cujo coração suspirava com o desejo de explorar terras desconhecidas, longínquas e misteriosas, onde os horizontes se estendiam além do alcance dos seus olhos, e os segredos do mundo aguardavam ser revelados a cada passo trilhado.

Pena d'Água Boutique HotelCerta noite, na presença do seu fiel amigo, um cão guardião, esse pastor conduzia o seu rebanho pelas encostas acidentadas e vales serenos, quando o céu se despiu de nuvens, revelando um espectáculo de estrelas avassalador. Uma delas desceu à Terra para sussurrar algo ao pastor.

Pena d'Água Boutique HotelA estrela, com a sua luz cintilante, prometeu ao pastor que, se ele seguisse seu brilho, encontraria o destino que sempre almejara. Após a sua mensagem tentadora, a estrela retornou ao céu. Movidos por essa promessa celestial, o pastor e o seu cão, partiram guiados pela estrela que os abençoara naquela noite.

Pena d'Água Boutique HotelPassaram inicialmente dias, depois meses, e mais tarde anos. Finalmente, alcançaram uma serra majestosa e imponente, cujo pico tocava os céus. Foi ali, próximo da estrela que os guiara, que pastor e cão decidiram estabelecer o seu novo lar.

Pena d'Água Boutique HotelOs dois viveram felizes, conversando com a estrela todas as noites, até que o tempo os chamou para além dessa existência terrena. Por sua vez, a estrela permaneceu nos céus, imponente, ainda mais brilhante do que as demais, pois tinha conhecido o amor de um pastor e de um cão. As saudades dos dois persistiriam para sempre.

Pena d'Água Boutique HotelA Serra da Estrela tornou-se, assim, um símbolo de coragem, amor e superação. Assumiu-se também com uma bela metáfora para a longa jornada, que por vezes é necessária, para alcançar os sonhos mais difíceis de atingir. No entanto, ao longo do tempo, a lenda da Serra da Estrela adquiriu diversas nuances.

Algumas versões sugerem que a estrela apareceu ao pastor num sonho, enquanto outras falam da perda do cão durante a viagem. Há outras que mencionam pastores que, ao alcançarem o cume da montanha, se tornaram reis, elevando a lenda a novos patamares.

No entanto, e apesar de todas as diferenças, mais ou menos significativas, todas elas falam dos dois protagonistas principais: o pastor sonhador e a estrela falante. As interpretações sobre a origem do nome da Serra da Estrela divergem, mas cada uma delas carrega consigo um encanto peculiar.

Pena d'Água Boutique Hotel Mas o que haverá de verdade nesta lenda? Sabemos (ou, como vão ver mais à frente, se calhar sabemos erradamente) que a designação mais antiga para a mais alta serra de Portugal continental era Montes Hermínios, nome que ainda se mantém entre os visitantes mais eruditos.

Pena d'Água Boutique HotelO nome Serra da Estrela terá surgido depois, e talvez se referisse apenas a uma parte dela, a do Malhão da Serra, vulgo Torre, conhecida actualmente pelas duas torres de cúpula esférica que elevam o monte até aos 2000 metros.  Contudo, estas torres não terão sido as primeiras ali construídas.

Taberna A LaranjinhaO Malhão da Serra foi, ao longo do tempo, vítima de intervenção humana: os populares sempre lá quiseram colocar um marco, numa celebração à sua elevada altitude.  Nesse sentido, há quem defenda que o nome estrela evoluiu de “stelae”, que pode ser traduzido como coluna ou marco.

Paulo Alexandre Loução, num livro publicado em 2013, refere que na montanha existiria um templo pré-cristão dedicado a Lúcifer.  Não se assustem porque neste caso não estamos a falar do mafarrico. Lúcifer teria aqui a sua acepção primitiva, enquanto portador da luz, também conhecido por Vénus.

Tendo por boa esta hipótese, Vénus, a estrela da manhã, teria inspirado o nome dado à serra.  O historiador Paulo Pereira refere algo similar, apontando a estrela polar como a origem etimológica da designação corrente. Existe ainda mais uma teoria, actualmente a mais aceite e talvez a mais bonita…

Taberna A LaranjinhaHá precisamente dez anos, um astrónomo português, de nome Fábio Silva, deixou-nos uma sugestão encantadora. Começou por estudar o megalitismo próximo da Serra, nomeadamente os dólmens. Chegou à conclusão que todos eles estavam virados para a Serra da Estrela, concretamente para uma das suas encostas, e que nesta, há 6000 anos, no final de Abril, nascia a mais brilhante das estrelas da constelação Touro: a estrela Aldebarã.

O final de Abril era a altura em que todos os pastores das cercanias pegavam nos seus rebanhos e se deslocavam até ao monte. A estrela Aldebarã funcionaria assim como um despertador no calendário da pecuária primitiva. E daqui surgiria o nome Serra da Estrela, contrariando a ideia de que montes Hermínios teria sido a terminologia ancestral.

Taberna A LaranjinhaAceitando esta versão, não podemos deixar de considerar (no minimo) curiosas as semelhanças que existem entre os factos históricos (os pastores que seguiam uma estrela até à Serra) e narrativas lendárias (o pastor que, com o seu cão, ouve um apelo de uma estrela que o levou à Serra).

Taberna A LaranjinhaEstamos a falar de uma história que terá sobrevivido milhares de anos e que, com todos os pontos que se vão acrescentando de geração em geração (pois quem conta um conto acrescenta um ponto), nunca perdeu a essência do seu significado mais real. A história do pastor e da estrela na Serra transcende os séculos, criando um vínculo etéreo entre o Homem e o cosmos.

Taberna A Laranjinha Essa narrativa não é apenas uma lenda; é um eco das tradições, da história e dos valores que moldaram a região ao longo do tempo. A lenda e as suas múltiplas interpretações ecoam nos vales e montanhas da Serra da Estrela, influenciando o modo de vida e os preceitos da região.

Taberna A LaranjinhaComo nisto das lendas (e bem) há sempre alguém a procurar fazer negócio, já existe um turismo de nicho, impulsionado pela curiosidade em torno desta história, que leva os visitantes a trilharem os mesmos caminhos que o pastor e o seu cão terão percorrido há séculos. Muitas dessas caminhadas culminam nos sabores da região, especialmente no Queijo da Serra, que se transformou numa experiência sensorial única.

 Tal como a lenda, o queijo produzido artesanalmente, reflete a tradição e a autenticidade da vida na Serra. Cada mordida é uma viagem no tempo, uma celebração dos métodos passados de geração em geração, de conto em conto. Desta forma, o modo de vida na Serra da Estrela é marcado pela simplicidade, determinação e respeito pela natureza.

Pena d'Água Boutique Hotel  Os pastores continuam a conduzir seus rebanhos pelos mesmos pastos que testemunharam a jornada lendária. O ciclo da vida, com suas estações e ritmos, é respeitado como uma dança eterna entre o homem e a Terra. Os valores da região são enraizados na conexão com a natureza, na apreciação das tradições e no entendimento de que, assim como as estrelas que iluminam o céu nocturno, a verdadeira luz vem de dentro, da honestidade, solidariedade e amor ao próximo.

Pena d'Água Boutique HotelHoje falo-vos de três sítios que tornam esse legado bem contemporâneo: O primeiro deles, o Pena d’Água Boutique Hotel é uma autêntica casa portuguesa, que mistura o tradicional com o moderno. É acolhedor e cosmopolita. Em tempos, foi o lar de uma família no séc. XIX. Hoje, é administrado por outra família, transformando-se num hotel que preserva e compartilha histórias de geração em geração, proporcionando o conforto indispensável num hotel de charme em pleno séc. XXI.

Com uma decoração exuberante, tectos altos, madeiras nobres e tecidos aconchegantes, o hotel reinventa-se a cada detalhe, procurando um equilíbrio hospitaleiro, inspirado na natureza da Serra. Ficámos na Suíte Familiar durante nossa estadia, um espaço cuidadosamente projectado para proporcionar bem-estar tanto para adultos quanto para crianças, com uma casa de banho cheia de detalhes e espaçosa, sala de convívio e sofá-cama, ideal para reunir/brincar em família.

Continue a ler o artigo em No meu Palato.

Últimas