Este é um roteiro imperdível pelos melhores restaurantes de Bragança

A experimentar

O que é local, típico e autêntico tem sempre lugar de destaque nestas mesas comprometidas com a tradição. Dos produtos elaborados por mãos experientes às novas abordagens da alta cozinha, há sabores genuínos para descobrir nestes oito restaurantes de Bragança.

Tradição e inovação convivem lado a lado nesta cidade de fronteira que tem na boa mesa uma bandeira. Procure os sabores tradicionais e genuínos, a caça, as boas carnes criadas ao ar livre, o fumeiro e os legumes da horta e deixe-se levar pela criatividade local nestes oito restaurantes que marcam o ritmo da cozinha bragantina.

Restaurante Típico D. Roberto
Quando Beatriz Jerónimo e Alberto Fernandes, conhecido localmente como “Roberto”, abriram esta taberna em 1935, “os almocreves que vinham vender azeite e sardinhas” ainda alugavam candeias para iluminar a noite escura de Gimonde. À mesa serviam-se petiscos, como as “Iscas de bacalhau”, as “Pataniscas”, a “Chouriça assada” e a “Alheira”, que resistem na ementa do Restaurante Típico D. Roberto, seguindo a mesma receita, ainda que se tenha transformado em restaurante pela mão de dois dos sete filhos, Maria da Glória e Alberto, em 1985. Atualmente é a terceira geração a garantir que se perpetua o ambiente da tradicional casa rural transmontana, datada de 1808, onde as várias salas foram sendo ocupadas com mesas. Já em 2003, no primeiro “Livro da Boa Cama e da Boa Mesa”, se vincava o cuidado da “lareira acesa e das toalhas de linho”, onde continuam a chegar a “Posta à D. Roberto” e a “Costeleta”, grelhada ao calor da lareira, o “Javali” assado, estufado ou em arroz, o “Cozido”, com butelo e casulas, ou, mais recentemente, a “Trilogia de porco Bísaro”. “Pudim de castanha” para encerrar. Preço médio €20
Rua Coronel Álvaro Cepeda, 1, Gimonde Tel. 273302510

G Pousada
A essência transmontana pulsa a cada garfada, vinho e troca de impressões com a equipa, que, ao viver em plenitude a região, reflete esse entusiasmo. Lá fora brilha o Castelo de Bragança, símbolo de força e estabilidade, em comunhão com as propostas do chef Óscar Gonçalves. Servindo-se de técnicas modernas, o G Pousada abre novos caminhos aos produtos locais, como revela o “Pregado com trigo barbelo” de Trás-os Montes, com espargo e amêijoa pé-de- -burro. Mesmo longe, este restaurante alcança a ondulação marítima… O mesmo sucede na sobremesa “Lima da Vilariça”, aromatizada pelas algas da ria de Aveiro. Se antes a “Presa de porco Bísaro” servia com couve-flor, seguiu- -se a castanha. Na sala, o aconselhamento vínico de António Gonçalves dá a conhecer muitos produtores da região. Os artistas Graça Morais, Armando Alves, Nadir Afonso e Júlio Resende dão nome aos menus de degustação e há ainda um menu vegetariano. A forma como esta alta cozinha descontrai e vai da trufa à bola-de-berlim com queijo Terrincho e presunto dá-lhe personalidade única. Preço médio €95
Pousada de Bragança, Rua Estrada do Turismo, Bragança Tel. 273331493

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas