Grande prova da Discórdia | O clássico, o potente e o improvável

A experimentar

“Existem lugares que declaram a identidade das paisagens que habitam na própria alma.” Joni Baltar.

Os vinhos da Herdade Vale d’Évora confirmam o vigor e originalidade do oásis vitícola de Mértola. Deste baixo Alentejo quente e agreste surgem dois colheita distintos, um Syrah elegante, duas Tourigas em sinfonia na mesma garrafa, um Reserva que já é um clássico, e regressam também dois vinhos provocadores: um tinto pujante e um branco improvável. Está instalada a Discórdia.

Herdade Vale d’Évora Os vinhos Discórdia têm origem na vinha (uma das mais bonitas do país) de 10 hectares plantada na Herdade Vale d’ Évora, uma propriedade de 550 hectares integrada no Parque Natural do Vale do Guadiana, Baixo Alentejo. Plantada em 2009, esta vinha tem talhões de quatro castas tintas (Touriga Franca, Touriga Nacional, Alicante Bouschet e Syrah) e de três brancas (Arinto, Verdelho e Antão Vaz).

Herdade Vale d’Évora O seu terroir é marcado por uma paisagem de grande beleza, com terrenos de ondulação generosa, uma vegetação autóctone e o rio Guadiana que a serpenteia. Este é também um dos últimos redutos de caça selvagem do Alentejo (e do país) e é também um outro Alentejo dos vinhos.

Herdade Vale d’Évora A vinha está  plantada numa das regiões mais quentes do país, terra árida e agreste, de solos xistosos, com proximidade ao rio Guadiana, que vive no limite e numa luta pela sobrevivência, resultando dessa condição fruta deliciosa e bastante concentrada.

Herdade Vale d’Évora Propriedade de duas famílias amigas seduzidas pelas terras de Mértola, a de Paulo Alho e a de Vítor Pereira, o projecto dos vinhos Discórdia começou em 2009, quando a família de Paulo Alho, empresário na área da construção civil natural de Sesimbra, decidiu plantar vinha no Baixo Alentejo, na Herdade Vale d’Évora, a qual havia adquirido em 2007.

Herdade Vale d’Évora Volvidos alguns anos, em 2016, juntou-se à equipa o novo sócio, Vítor Pereira, natural de Vila Nova de Famalicão, engenheiro civil de formação e também apreciador de vinhos e caçador frequente em terras de Mértola. Passando aos vinhos, o Discórdia Branco 2020 (8.90 €, 82 pts.) resulta de uma vindima manual, com selecção de cachos e desengace total.

Herdade Vale d’Évora A fermentação ocorre a temperatura controlada em cubas de inox, onde o vinho depois estagia. De porte amarelo citrino, é marcado por notas de papaia, casca de tangerina, maçã verde e flor de laranjeira. No palato é fresco, seco,  harmonioso e equilibrado.

Herdade Vale d’Évora O seu camarada mais escuro, o Discórdia Tinto 2021 (8.90 €, 84 pts.) teve vindima manual, selecção de cachos, desengace total e fermentação com temperatura controlada em cubas de inox (onde ocorreu também o seu estágio). Rubi granado escuro, exibe frutos silvestres, pimento vermelho, bergamota e rosas.

Continue a ler o artigo em No Meu Palato.

Últimas