Produção de queijo da Serra da Estrela passa por capacitar o setor – autarca

A experimentar

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital disse hoje que o caminho da produção de queijo da Serra da Estrela passa por capacitar pessoas para o setor e apoiar a sua fixação.

“O município [do distrito de Coimbra] está a preparar um grande manancial de informação para fazer chegar aos potenciais interessados, sobretudo aos mais novos”, disse José Francisco Rolo.

O autarca, que falava aos jornalistas na inauguração da Festa do Queijo da Serra da Estrela de Oliveira do Hospital, considerada a maior da região, salientou que o setor atravessa de uma fase de novos desafios e de transição geracional.

Salientando que existem novos produtores de ovelhas de raça bordaleira e novas queijeiras, o presidente da autarquia disse que a transição geracional se verifica pela via familiar, dos mais velhos para os mais novos, “que são sinais positivos”.

“Se aumentarmos o efetivo [de ovelhas], que foi fortemente afetado pelos incêndios de 2017, mas que já recuperámos, com a criação do Centro de Recria de Borregas, vamos ter mais produto, mais qualidade e um mercado crescente, onde o preço vai subir”, frisou.

Para José Francisco Rolo, é importante que os criadores mantenham a atividade, “seja de borrego, de produção de leite para venda ou transformação em queijo” e, para isso, “temos de reforçar os apoios ao setor”.

“Estou otimista, porque é necessário passar uma mensagem de esperança para quem quer vir para o setor e muita da revitalização do interior faz-se através das atividades tradicionais com valor de mercado”, disse.

No certame de hoje, Edgar Pinto, de 18 anos, foi apresentado como o mais jovem pastor de Oliveira do Hospital, por paixão “à natureza desde pequeno”, influenciado por um vizinho.

Acompanhado da cadela Kaya, de apenas quatro meses, de raça Serra da Estrela, que o acompanha na pastorícia, Edgar tem um rebanho de 18 ovelhas de raça bordaleira, mas ambiciona dentro de 10 anos atingir as 150 cabeças.

A produzir um dos poucos queijos de Denominação de Origem Protegida (DOP) da Serra da Estrela, Cátia Marques, de 30 anos, mostrou-se satisfeita com a atividade que continuou dos sogros.

“O setor está a crescer em vendas e estou a pensar exportar para o Brasil”, disse à agência Lusa a jovem produtora, que comercializa os queijos com a marca de Quinta do Cruzeiro.

Apesar de ser licenciada em administração pública e pós-graduada em contabilidade, Cátia Marques dedica-se exclusivamente à produção de queijo, que confeciona com o leite recolhido no rebanho do sogro.

O produtor António Gouveia disse também à agência Lusa que o setor “está bem e a crescer”, embora se debata com a falta de leite, que está a ser comprado por produtores espanhóis e franceses.

“Está a faltar matéria-prima e devia haver mais produtores, mas para isso são necessários mais apoios porque ninguém quer ser pastor”, sublinhou o produtor, que está no ramo há 15 anos, embora não faça dele a sua atividade principal.

A Festa do Queijo da Serra da Estrela de Oliveira do Hospital decorre hoje e domingo, numa área dentro da cidade com três hectares e a participação de 250 expositores de produtos endógenos.

O certame foi inaugurado hoje pelo presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva.

Últimas