Feira de Sabores de Chaves promove negócios do fumeiro à agricultura biológica

A experimentar

Em Chaves têm-se instalado produtores de fumeiro ou de agricultura biológica que protagonizam histórias de quem quis mudar de vida e encontram na Feira dos Sabores um palco de divulgação dos produtos e concretizações de negócios.

A Feira dos Sabores realiza-se 17 e 19 de fevereiro, em Chaves, e foi apresentada, na aldeia de São Vicente da Raia, numa cozinha regional, onde marcaram também presença produtores que vão participar no certame.

Ex-investigador e professor de história, em Coimbra, Anísio Saraiva instalou-se com a mulher, Ana, e a filha, Vitória, em Vidago, onde criou o projeto “Torrão da Terra”, um espaço de agricultura biológica certificada.

Esteve em Roma (Itália), trabalhou no Vaticano, e há cinco anos que decidiu mudar de vida e instalar-se no concelho de Chaves.

“Foi uma vontade enorme de largarmos a cidade e vivermos uma vida mais tranquila, mais humanizada no campo”, afirmou, explicando que recuperaram o património que tinham em Vidago.

Eram consumidores de produtos biológicos e perante a dificuldade de oferta, esta acabou por ser a aposta da família que, agora, se dedica à horticultura em modo de produção biológica, entrega cabazes entre Chaves e Vila Real e apostou no conceito de “hortoterapia”, possibilitando aos visitantes a apanha dos alimentos.

Uma das novidades desta edição da Feira dos Sabores é o “Canto Bio”, onde, pela primeira vez, Anísio Saraiva estará a divulgar o seu projeto.

“Para além do que é o saber tradicional, dos produtos tradicionais, queremos também dar destaque e dar uma atenção particular aos produtos que são feitos em modo de produção biológica e que podem ir desde o mel, ao vinho, à castanha e às hortícolas”, afirmou o presidente da Câmara de Chaves, Nuno Vaz.

Esta aposta vai ao encontro do projeto que está a ser desenvolvido no Alto Tâmega, no âmbito do qual vai ser criado um centro de investigação ligado à produção biológica.

A cozinha regional de São Vicente da Raia, onde decorreu a apresentação da feira, pertence ao casal Agostinho Fontoura e Catarina Santos, que deixaram há 11 anos o Porto, onde trabalhavam num hipermercado, para se instalaram naquela aldeia que dista “20 minutos de carro” da cidade de Chaves.

“Não custa nada, se calhar é mais difícil ir da Areosa ao centro do Porto”, apontou Agostinho, 41 anos.

Com a ajuda dos familiares arriscaram e apostaram na agricultura e produção de fumeiro e, segundo garantiu, ganhou “muito” em “qualidade de vida”.

Em relação à atividade, o produtor queixou-se de dificuldades acrescidas em 2022, com o aumento generalizado dos preços, e deu como exemplo o saco de cereais que comprava por nove euros e, neste momento, está a 16,5 euros.

Neste inverno vai desmanchar de 15 a 20 porcos para transformar em linguiças, salpicões ou alheiras que vendem localmente e nas feiras mais próximas

“A feira de Chaves em termos de divulgação do produto é essencial e as vendas também contam muito”, salientou Agostinho Fontoura.

O certame conta com a participação de 60 expositores, 20 dedicados ao fumeiro, representa um investimento de cerca de 120 mil euros, mas, segundo Nuno Chaves, o retorno direto e indireto é de “largas centenas de milhares de euros”.

Este é um espaço que se quer, explicou, “interativo, sobretudo para potenciar a divulgação, afirmação, transação e a venda dos produtos”, quer seja o fumeiro, os pastéis de Chaves, folar, licores, vinho.

“Nós temos que apostar sobretudo nestes jovens e em quem queira, de facto, manter-se no território, porque eles são absolutamente essenciais para que nós continuemos a ter a paisagem, o território. Esta essência da natureza só se faz com estes obreiros”, salientou o autarca.

Esta feira é, para Nuno Vaz, mais um momento de afirmação de Chaves e da “gente que faz” neste concelho.

Últimas