Restaurante Fialho: um valor seguro no centro histórico de Évora

A experimentar

A consistência da oferta, desde o receituário tradicional ao serviço de sala atencioso, faz do Fialho, em Évora, um dos lugares seguros a que apetece sempre voltar.

Helena Fialho é um dos rostos da terceira geração deste negócio de família, criado por Manuel Fialho em 1945 numa travessa no centro histórico de Évora. “Sou a neta mais velha e o meu primo Rui é o neto mais novo, curiosamente, e ambos tirámos gestão hoteleira”, conta à “Evasões”. A hospitalidade corre nas veias da família há 77 anos, quando Manuel Fialho, reputado maître no Hotel Alentejano, decidiu criar uma casa de petiscos. Quando morreu, os três filhos Amor, Gabriel (pai de Helena) e Manuel deram seguimento ao negócio, que viria a revelar-se um êxito.

“O meu pai foi um autodidata. Gostava muito do que fazia, aprendeu a cozinhar com a mãe, procurava receitas e ingredientes novos e era um excelente comunicador. O meu tio Manuel partiu em 2020”, recorda. Ambos foram grandes impulsionadores da gastronomia tradicional alentejana, deixando um legado que hoje perdura e que um vasto palmarés de prémios e distinções não deixa esquecer. Ir ao Fialho é um “ritual para muitas famílias”, conta Helena. “Temos clientes que começaram a vir com os filhos e agora já vêm com os netos”. A equipa da casa é como uma família alargada.

Continue a ler este artigo em Evasões.

Últimas