Esporão apresenta azeite novo

A experimentar

A campanha de 2022 decorre até meados de dezembro num ano que não foi especialmente fácil. Mas o azeite aí está, mais uma vez, num projeto que o Esporão começou em 1997. O azeite novo foi apresentado no reabilitado Mercado do Bolhão, onde também se apresentaram novidades de vinagres.

Depois das campanhas de quase todas as frutas, chega a altura da azeitona. Também ela uma fruta, não terá na campanha de 2022 um ano de grande memória. As chuvas fracas, em algumas regiões quase inexistentes, o calor prolongado em sucessivas vagas e também, antes de tudo isso, a falta de horas de frio no período do inverno, são motivos de sobra para justificar as quebras acentuadas na produção – da azeitona como das uvas e, regra geral, de quase toda a produção agrícola.

O Esporão, além de ser um produtor de referência na área do vinho, em várias regiões, é também produtor de azeitona desde 1997. O desafio, aliás, veio do outro lado do Atlântico quando a Qualimpor, empresa do grupo, lançou o repto por ter percebido um défice de mercado no Brasil. Daí à compra de um moderno lagar em Serpa, no Alentejo, foi um pequeno passo. E a história foi-se escrevendo. O azeite de qualidade que o grupo quis criar tornou-se uma realidade, através de produtores locais que vendem a azeitona. O “azeite fresco” chegou aos consumidores e o pioneirismo que o Esporão gosta de imprimir nos seus percursos também existiu. Foi a primeira empresa a engarrafar azeite num garrafa escura e também das primeiras a explorar os monovarietais. Neste último caso, com duas variedades específicas, a Galega e a Cordovil.

A garrafa, que inovou por ter vidro escuro, foi criada de raiz a pensar no local onde os oleólogos do Esporão acham que ela deve repousar. “Não queríamos que os consumidores a colocassem no lugar clássico e, para nós, errado: junto ao fogão. Não queremos que o produto se degrade e por isso a garrafa que desenvolvemos tem a altura ideal para caber no armário, onde achamos que o azeite fica mais protegido”, explica Ana Carrilho, oleóloga do Esporão que acrescenta um detalhe. “Tudo foi pensado ao pormenor, incluindo o facto de ser uma garrafa serigrafada que, depois de devidamente limpa, fica impecável”.

Continue a ler o artigo em Revista de Vinhos.

Últimas