Saudades de cozido? Em Lisboa, nestes restaurantes a mesa já está pronta

A experimentar

Chega às ementas quando o frio aperta e é dos mais apreciados pratos da gastronomia tradicional. O cozido à portuguesa está de regresso às mesas da capital

Se há receita que defina a gastronomia nacional, essa é a do cozido, apesar das variações consoante a região do país. Cheia de história, há registos deste prato no tratado de culinária em português chamado “Arte de Cozinha”, de 1680, escrito por Domingos Rodrigues, cozinheiro da Casa Real de Portugal, que dá conta de ser um prato riquíssimo, onde não faltavam perdizes, coelho e pombos. Hoje os ingredientes diferem, mas a satisfação, perante um bom cozido, é a mesma. Com o frio a chegar, siga estas sugestões do Boa Cama Boa Mesa e aproveite o melhor Cozido à Portuguesa da capital.

Varanda de Lisboa

Varanda de Lisboa
Faz parte da tradição de outono, o Cozido à Portuguesa nas mesas do Varanda de Lisboa. Sempre ao almoço de quinta-feira, como parte do Menu Sugestão do Dia by Chef Vitor Sobral, inclui as carnes tradicionais, os indispensáveis enchidos e os legumes obrigatórios, com a criatividade do chef, o primeiro Prémio Carreira para o Boa Cama Boa Mesa em 2016. O menu inclui Entrada, Prato Principal, Sobremesa e um Copo de Vinho Adega Mãe – PHC Hotels Colheita Privada e custa €24.
Praça Martim Moniz 2, Lisboa. Tel. 218842000

XXL by Olivier

XXL
Pela primeira vez na vida deste icónico espaço, junto à Assembleia da República, as portas abrem-se ao almoço, com menus fixos diários, onde, à sexta-feira, se pode apreciar um dos mais famosos cozidos da cidade. É o Cozido à Portuguesa à Moda do Olivier, habitualmente servido noutros espaços do empresário, e que, desde o primeiro dia no restaurante XXL by Olivier conquistou clientes, com casa sempre cheia. A fina seleção dos produtos e o apurado método de confeção recomendam reserva antecipada. O couvert com o cozido, uma bebida e um café custa €28.
Calçada da Estrela, 57, Lisboa. Tel. 911807513

O Nobre by Chef Justa Nobre

 

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas