1983: Dos pratinhos de cabidela a instituição gastronómica de nome reconhecido em Viana do Castelo

A experimentar

Depois de anos de trabalho em França, já casado e com filhos, regressa à região que o viu nascer. Confiando na qualidade dos produtos autóctones, nas receitas regionais antigas e nas cozinheiras na família, António Camelo arrisca na abertura de um restaurante. Hoje, o Camelo, em Viana do Castelo, é uma instituição gastronómica do Minho, com um segundo espaço na Apúlia. Todas as semanas, para comemorar os 50 anos do Expresso, vamos viajar no tempo para relembrar os 50 restaurantes que marcaram as últimas décadas em Portugal.

Vapores caseiros elevam-se dos tachos e fazem adivinhar manjares divinos. Remexem-se talheres, copos e pratos, sai a posta e outras dezenas de pedidos. No meio de movimentos cruzados, Rosa Quesado atenta ao que vai para a mesa. “Ainda agora me deram a provar um arroz e disse que queria mais sangue, mais sal e mais um bocadinho de vinagre”, sentencia. Minutos antes, mandou para trás o cabritinho, precisava de mais forno. Paciente, Rosa tem só um propósito, agradar aos clientes do Restaurante Camelo, em Viana do Castelo. E sempre bem disposta… “Meninas, eu gosto de ver caras alegres a trabalhar”, já dizia a sua mãe.

Para a tarimba de Rosa na importante função arbitral, que mantém a qualidade em alta, contribuiu a irmã. Agora reformada, Marta Quesado foi a cozinheira que o marido de Rosa, António Camelo, convidou há quase 40 anos para o leme gastronómico deste afamado restaurante minhoto. Dizem que nasceu com o dom para a cozinha. Valorizava a opinião do pai, que desafiava a provar os temperos, e aprendia com a avó e o tio padre, um “gastrónomo” entendido na arte. Deleitava-os com “grandes sarrabulhos” e há dicas que não se esquecem, como a moderação do picante para preservar o sabor dos ingredientes.

Ant´nio Camelo, o fundador do restaurante
António Camelo, o fundador do restaurante

Quem conhece os cantos à cozinha de Rosa e Marta é Marcelo Rebelo de Sousa, que veio ao Camelo duas vezes antes da presidência da República. (…).

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas