Miguel Teixeira [chef do hotel Corinthia]: “Na cozinha, partilho tudo”

A experimentar

À “Evasões”, Miguel Teixeira, chef executivo do hotel Corinthia, em Lisboa, faz um balanço de duas décadas de carreira e da sua forma de estar na cozinha. Uma conversa com sabor transmontano.

Brio, transparência e humildade são três caraterísticas que qualquer um reconhecerá no perfil do chef Miguel Teixeira, nascido no norte há 40 anos, e que há três chefia a máquina gastronómica do hotel Corinthia, em Lisboa. Em conversa com a “Evasões”, o profissional recorda as tradições familiares que o norteiam no processo criativo, desvenda desafios e motivações e partilha os seus segredos para “desligar”, por momentos, da azáfama diária.

Como nasceu o gosto pela cozinha?
O meu início não teve nada a ver com Cozinha. A área em que estava a estudar, na altura, dava para Medicina e Ciências, mas ao fim de um mês de aulas, no 12.º ano, reprovei por faltas e disse: “Não é isto que eu quero para mim”. O meu pai tinha duas pastelarias na Maia, então deixei a escola e fui trabalhar com ele durante o resto desse ano letivo. Foi aí que começou o meu gosto pela restauração, pela cozinha e pelo serviço. Como me dei tão bem, pensei em aprender Cozinha e inscrevi-me no núcleo de Santa Maria da Feira da Escola de Hotelaria e Turismo do Porto.

O curso abriu-lhe que portas?
Passado um ou dois meses perguntaram-nos se queríamos ir fazer uns extras ao Porto Palácio. Nessa altura, pareceu-me interessante poder ganhar dinheiro, já não estando dependente dos meus pais. Lembro-me perfeitamente de chegar ao hotel num sábado, às seis da manhã, e pensar “Será que é isto que eu quero para mim”?. Era caótico, a cozinha do hotel era muito antiga, tínhamos aquele tipo de chefs e sub-chefs que cozinhavam de costas para não vermos o que estavam a fazer. Nos primeiros tempos descasquei batatas, legumes, mas depois a coisa começou a desenvolver-se e comecei a conhecer as pessoas. Lá descansava, às vezes, um domingo. O ritmo de aprendizagem ajudou-me muito nas aulas da escola. Quando terminei Cozinha, decidi tirar o curso de Gestão Hoteleira.

Continue a ler este artigo em Evasões.

Últimas