Cores e aromas africanos à mesa no Congresso dos Cozinheiros

A experimentar

A edição 18 traz a Oeiras, nos dias 25 e 26 de setembro, alguns dos nomes mais sonantes da cena gastronómica africana, que marcam, pela primeira vez, presença em Portugal.

Esta é “uma oportunidade de conhecer melhor a rica herança cultural africana e a sua importante presença na cozinha portuguesa e internacional. É importante para ficarmos a conhecer pessoas com uma ação social impactante através do seu trabalho no mundo da gastronomia. Interessa-nos um mundo mais equilibrado e justo, para todos, independentemente da sua origem”. A frase é de Paulo Amado, fundador do Congresso dos Cozinheiros, numa antevisão da edição 18 do Congresso dos Cozinheiros, que decorre nos dias 25 e 26 de setembro, nos Nirvana Studios, em Oeiras. Esta é, segundo o organizador, uma “oportunidade para aprender mais sobre a riqueza das pessoas, gastronomia e cultura africana. Para apresentar, debater, degustar e fomentar um papel de maior reconhecimento dos profissionais, dos produtos e tradições do grande continente”.

Congresso dos Cozinheiros

Congresso dos Cozinheiros | Filipe Vera-Cruz

Entre os oradores confirmados, o destaque vai para a presença de Fatmata Binta (Natural da Serra Leoa, chef de cozinha nómada e embaixadora da cozinha da tribo Fulani. Em 2021 foi galardoada com o prémio The Best Chef Rising Star pela The Best Chef Awards e já em 2022 recebeu a distinção do Basque Culinary World Prize), Sheree Williams (norte-americana, fundadora e diretora-executiva da organização The Global Food and Drink Initiative e editora da Cuisine Noir Magazine) e Najat Kaanache (Cozinheira basca de San Sebastián de origem marroquina e proprietária do restaurante Cús, na cidade do México e de seis espaços na medina de Fez, incluindo o Nur, distinguido como o Melhor Restaurante de África e o Melhor Restaurante Marroquino do Mundo em 2017 pela World Luxury Restaurant Awards).

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas