1979: A modesta pensão que fez nascer um restaurante de culto em Paços de Ferreira

A experimentar

Aidé Pereira da Costa Lino viu-se, ainda jovem, com sete filhos para criar sozinha. Porém, nenhuma adversidade a fez baixar os braços. Esta figura, muito estimada em Paços de Ferreira, foi um exemplo de resiliência e construiu uma pensão com um restaurante que se tornariam, já sob a gestão de Fernando Pinto, incontornáveis na região e em que o “Capão à Freamunde” é razão para romarias. Pelo Restaurante Aidé, reduto de sabores de tradição, passam presidentes da república, primeiros-ministros e meio mundo das artes. Todas as semanas, para comemorar os 50 anos do Expresso, vamos voltar atrás no tempo – com o apoio do Recheio – para relembrar 50 restaurantes que marcaram as últimas décadas em Portugal.

Perante a morte do marido, Aidé Pereira da Costa Lino ficou numa encruzilhada. Estava viúva aos 34 anos e com sete filhos para criar, o mais velho com apenas 13 anos. Vivia num prédio em Paços de Ferreira, cuidando de uma mercearia e de uma tasquinha no rés-do-chão, junto à Confeitaria Amândio, pertença do pai. Percebe, então, que tem de arranjar outro sustento para os filhos e tenta comprar a Pensão Palmeira, em frente. Estava tudo apalavrado, mas no dia em que atravessa o jardim para fazer a escritura, a amiga diz-lhe que a vendeu a outra pessoa. Consta que esse suposto “adversário” de negócios “deitou foguetes para festejar”. De volta à estaca zero, lembra-se de uma casinha antiga, com um terreno ao lado onde bem que podia nascer uma pensão… “É aqui que eu a vou fazer”, decide.

Só havia um problema, a autarquia não lhe dava licença de pensão. “Havia outra na zona e o proprietário tinha um certo controle sobre o presidente da altura”, considera Fernando Pinto, proprietário do atual Paços Ferrara Hotel. Aidé não desiste. Se não podia ser pensão, seria uma casa de habitação para a família. Recolhe financiamento junto de familiares, endivida-se na banca, e avança com a construção de raiz. “A dona Aidé era uma senhora à frente do tempo, muito inspiradora, muito lutadora. (…)

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas