Restaurantes a sul: 17 mesas para petiscar, de Sines a Vila Real de Santo António

A experimentar

Das amêijoas aos pratos de peixe e de marisco, entre outros sabores, não faltam bons motivos para se sentar à mesa destes 17 restaurantes da costa alentejana e algarvia. Bons petiscos – e boas férias.

ALENTEJO

1. Maíz Taqueria, Sines

Este é uma paragem obrigatória para quem aprecia uma mesa recheada de iguarias mexicanas. Situado numa das praças mais centrais de Sines, o Maíz Taqueria, aberto em abril, ocupa uma casinha acolhedora, com esplanada a condizer. “Queríamos abrir uma coisa nossa e como adoramos comer, desde a tasquinha até ao restaurante com Estrela Michelin, pensamos que podia ser esse o caminho”, diz o casal Cláudia Santos e Rafael Russano, de 28 e 29 anos, respetivamente, nascido em Sines. Assim que se decidiram pelo tipo de cozinha que queriam fazer, seguiram para o México, onde ficaram um mês para experimentar e aprender tudo sobre esta gastronomia.

Há que ir com apetite e com tempo para saborear algumas surpresas da ementa. Nesta taqueria, decorada com chapéus e máscaras trazidas da viagem, servem-se seis variedades de tacos, incluindo um vegan, que se destacam pela massa caseira e recheios equilibrados. Aqui ficam duas sugestões: tortilha de milho frita, camarão, manga, abacate, maionese caseira e coentros e a de carne de vaca, mistura de enchidos tradicionais, cebola-roxa em pickle de lima e coentros. Qual delas a mais gulosa, acrescente-se. “Compramos o milho agrícola e fazemos todos os dias a nossa própria massa à mão”, remata o casal. Para prolongar a refeição, deixe-se ficar a apreciar um dos cocktails preparados com Mezcal, há ainda cerveja e whisky mexicano que nos levam ao México sem sair de Sines. R. Pedro Álvares Cabral, 38, Sines > T. 91 094 5733 > seg-qui 12h-15h, 19h-23h, sex-sáb até às 24h

2. A.MAR, Porto Covo

Na Praia Grande de Porto Covo, o restaurante e bar A.MAR, gerido pelo casal José Costa e Ivone Machado, é o novo ponto de encontro de residentes e turistas. Da esplanada, em cima do areal, contempelam-se os diferentes tons de azul do mar, mesmo ali frente, e difícil vai ser resistir a um mergulho.

A ementa desenhada por Joachim Koerper, chefe de cozinha do Eleven, restaurante lisboeta distinguido com uma Estrela Michelin, apresenta petiscos, entre pratos mais compostos e elaborados, pensados para as diferentes horas do dia e apetites. Aqui, tanto podemos saborear um gaspacho de morango, melancia e cereja (€6,50) e umas amêijoas à Bulhão Pato (€21), como um arroz cremoso de carabineiro (€59), uma massada de peixe do dia com molho de caldeirada (€26) e o entrecôte maturado cozinhado no forno a lenha com batata rústica e salada (€49). Para refrescar, há ainda gelados artesanais e cocktails, ideais para aproveitar o bonito pôr do Sol. Praia Grande, Porto Covo > T. 96 575 4882 > seg-dom 12h-15h, 19h-23h

3. Choupana, Vila Nova de Milfontes

O cheiro da maresia pode, por vezes, misturar-se com o dos grelhados no carvão – a grande especialidade desta cabana com ligação direta ao areal da praia do Farol, onde o rio Mira desagua no oceano Atlântico. Sempre a funcionar e com muito peixe fresco, pronto a ser escalado e posto nas brasas, as sardinhas, os carapaus e os carabineiros são dos pratos com mais saída. Descalço e de copo na mão, o ideal é apreciar o Sol a pôr-se no horizonte, enquanto se aguarda por mesa. Lg. do Farol, Praia do Farol > T. 283 011 275 / 96 635 4796 > ter-dom 12h30-22h

4. Jardineiro do Rei, Vila Nova de Milfontes

A caminho da Praia das Furnas, há que ir com atenção para não deixar passar o restaurante Jardineiro do Rei. A funcionar numa antiga escola primária, rodeada por eucaliptos, aqui quem nos recebe é David Trueb, 20 anos, que aposta numa cozinha de autor à base de plantas e legumes, sem usar qualquer proteína animal.

“Com 17 anos, fui para a Indonésia, durante três meses, para trabalhar na restauração e aí interessei-me bastante pela cozinha”, conta David, nascido em Vila Nova de Milfontes. Já em Portugal, frequentou a Escola de Hotelaria do Estoril. “No final do curso, tínhamos que criar um projeto de um restaurante fictício, desde a ementa à gestão”, resume. Assim nasceu, em finais de julho de 2021, o Jardineiro do Rei.

Continue a ler o artigo em Visão.

Últimas