1972: O restaurante bar de Lisboa que se transformou na segunda casa do Expresso

A experimentar

Francisco Pinto Balsemão, fundador do Expresso, recorda-se das noites de fecho quando se ia para o Pabe “comer um prego e esperar a chegada do estafeta com as últimas provas” do jornal. Sonho de um abastado iraniano, o restaurante, inaugurado em 1972, recebeu a sede do Expresso como vizinho e ligação intensificou-se com o passar dos anos. Todas as semanas, para comemorar os 50 anos do Expresso vamos voltar atrás no tempo – com o apoio do Recheio – para relembrar os 50 restaurantes que marcaram as últimas décadas em Portugal.

Nasceram em Lisboa, a curta distância e com poucos meses de diferença. O restaurante Pabe em 1972 e o jornal Expresso nos primeiros dias de 1973, ambos na rua Duque de Palmela. A grande proximidade e a envolvência do restaurante, que abre a pensar nas elites, formam o alicerce de uma estreita relação, ao ponto do restaurante se ter tornado, para Francisco Pinto Balsemão, num “compagnon de route” do jornal. Era uma segunda casa do Expresso e o local onde se aguardava o veredicto da Censura, na mesma mesa que mais tarde recebeu as entrevistas “Almoços no Pabe”. Ficou conhecida como “a mesa do Dr. Balsemão”. Hoje, o Pabe continua a atrair as figuras influentes e é o primeiro dos 50 restaurantes que escolhemos como os mais marcantes dos últimos 50 anos.

Fachada do Pabe
1 / 24

Fachada do Pabe | Dr

Fundado por um familiar do Xá da Pérsia

Elogiam-lhe a simpatia, o apreço por bons vinhos e obras de arte. Figura cimeira da Firestone em Portugal e familiar do Xá da Pérsia, um abastado iraniano de nome Parviz Parviz decidiu abrir em Lisboa um restaurante bar de luxo, à imagem de um pub inglês e a pensar nas elites. A proibição de estrangeirismos em Portugal, à data, ditou que esse pub se chamasse Pabe, instalando-se no nº 27 da rua Duque de Palmela, junto ao Marquês de Pombal. Na inauguração, a 1 de maio de 1972, participou Carlos do Carmo e os convidados foram os primeiros a provar o champanhe e o famoso caviar que o restaurante passou a servir. 

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas