São João em Vila do Conde: sardinhas, marchas e fogo no rio Ave

A experimentar

Dois ranchos rivais, um centro histórico engalanado, fogo-de-artifício no rio, Toy e uma pedrinha na fonte. Assim se faz a festa do padroeiro São João em Vila do Conde.

A rivalidade entre os dois ranchos da terra tem cem anos. É ela que faz do S. João de Vila do Conde uma festa única e cheia de tradições de outros tempos. Há cascatas espalhadas pela zona histórica, manjericos e alho-porro, cantares ao desafio, farturas e carrosséis, sardinhas assadas, marchas luminosas na avenida central, fogo-de-artifício junto ao rio Ave e festa pela noite. No final, a pedrinha na fonte de S. João e um segredo para revelar.

O programa começa bem antes da grande noitada: hoje mesmo há cantares ao desafio. Na Igreja Matriz, o Rancho da Praça. Do outro lado, junto ao Mosteiro de Santa Clara, o Rancho do Monte. Traja-se a rigor e ergue-se a voz a plenos pulmões, numa espécie de cantares ao desafio. São os cantares a S. João que, a uma semana do dia, anunciam as festas do padroeiro.

A estátua do padroeiro. (Fotografias de Artur Machado/GI)

Desde sábado, inauguraram-se as cascatas. São 12 espalhadas pela zona histórica da cidade e ficam até 26 de junho. Segui-las é uma boa forma de percorrer os sítios mais pitorescos da festa.

Continue a ler este artigo em Evasões.

Últimas