Mesa regional escrita no Caneta. A antiga capital das Ilhas Terceiras é terra de mesa farta e aromática que se estende na planície

A experimentar

O crítico gastronómico Fortunato da Câmara experimentou os principais pratos da carta.

Os Açores foram considerados as Ilhas Terceiras, entre os arquipélagos descobertos no Atlântico, depois das Canárias serem as Ilhas Primeiras, e a Madeira as Ilhas Segundas. Durante algum tempo a terceira ilha foi capital administrativa, antes de São Miguel assumir essa condição até ao presente, o que induz uma aparente rivalidade dentro do arquipélago. A maravilhosa cidade de Angra do Heroísmo e o esplendor da Terceira são um dos muitos argumentos que fazem dos Açores um dos maiores tesouros naturais, gastronómicos e agroalimentares da Europa. Os açorianos têm de se amar e respeitar entre si, e pelo muito valor que têm.

Saindo de Angra a bordejar cada recorte da costa sul, o mar perfuma a terra e salga os retalhos que se unem ao longo das planícies. As sucessivas freguesias quebram o verde vibrante das pastagens com a decoração multicolor dos altares religiosos. Percorrer o troço que atravessa a Mata da Serreta é um bálsamo nasal, com os aromas campestres e os restantes sentidos a serem convocados para um baile sensorial sem fim. Chegados à localidade dos Altares o culto presta-se à mesa regional que o restaurante Caneta faz desfilar todos os almoços (…).

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas