Maçãs e pêras portuguesas entre as frutas com mais pesticidas, revela estudo europeu

A experimentar

Estudo na ONG “Pesticide Action Network” revela que as maçãs e pêras portuguesas estão no segundo lugar do ranking da maior proporção de frutas contaminadas em 2019. A nível da União Europeia, segundo o estudo, as taxas de contaminação tanto para maçãs como para pêras mais do que duplicaram entre 2011 e 2019.

Maçãs e pêras cultivadas em Portugal estão entre as frutas com maior quantidade de pesticidas perigosos, indica uma análise a fruta fresca europeia relativamente a 2019, da responsabilidade da rede de organizações não-governamentais “PAN Europa”.

A “Pesticide Action Network” (PAN), fundada em 1982, é uma rede de mais de 600 organizações não-governamentais, instituições e pessoas de mais de 60 países que procura minimizar os efeitos negativos dos pesticidas perigosos, e substituí-los por alternativas ecologicamente correctas e socialmente justas. A PAN Europa foi criado em 1987 e reúne 38 organizações de consumidores, de saúde pública e ambientais, entre outras.

Segundo o documento divulgado esta segunda-feira, as maçãs e pêras portuguesas estão no segundo lugar do “ranking” da maior proporção de frutas contaminadas em 2019. Em 85% das pêras portuguesas testadas e em 58% de todas as maçãs testadas foi encontrada contaminação por pesticidas perigosos.

A nível da União Europeia, segundo o estudo, as taxas de contaminação tanto para maçãs como para pêras mais do que duplicaram entre 2011 e 2019.

Continue a ler o artigo em Público.

Últimas