Xisto, melhor do que nunca

A experimentar

“Um encontro de amigos”. É desta forma que as famílias Roquette e Cazes resumem o processo que levou à criação do Xisto. A colheita de 2018, agora apresentada nas renovadas instalações do icónico Château Lynch-Bages, em Bordéus, é porventura a melhor de sempre.

Texto: Luis Lopes

Fotos: Luis Lopes e R&C

A nova adega do Château Lynch-Bages, na pitoresca aldeia de Bages, comuna de Pauillac, é algo de assombroso. Pelo conceito, que replica as adegas “de gravidade” do século XIX, pela eficácia da simplicidade, pela tecnologia de ponta orientada no sentido da menor manipulação possível de uvas, massas e vinhos. Descrevê-la em detalhe implicaria várias páginas carregadas de entusiástica adjectivação e não é esse o tema deste trabalho, mas sim os vinhos que ali nos foram apresentados em finais de fevereiro: Roquette & Cazes tinto 2019 e Xisto tinto 2018.

O “encontro de amigos”, frase-assinatura que abre sempre a comunicação dos vinhos da empresa, teve início em 2002 e os amigos eram (e são) Jean-Michel Cazes (dos châteaux Lynch-Bages, Ormes de Pez e Haut-Batailley) e Jorge Roquette, da Quinta do Crasto. Na base do projecto, a complementaridade do conhecimento vitivinícola das duas famílias, para criar, em conjunto, um grande vinho do Douro, um vinho que tivesse “o poder e o sol de Portugal conjugados com a elegância de Bordeaux”, como na época o definiu Jean-Michel Cazes.

Xisto Roquette Cazes

Daniel Llose, Jean-Charles Cazes, Tomás Roquette e Manuel Lobo.

O primeiro Xisto nasceu na vindima de 2003, tendo sido apresentado ao mundo, com grande sucesso, na Vinexpo de 2005. (…)

Continue a ler o artigo em Vinho Grandes Escolhas.

Últimas