Notas de prova Quinta de Monforte | O carácter de uma dicotomia

A experimentar

A originalidade do lugar define o projecto. Oriundos de vinhas em terraços de muros de granito, uma particularidade pouco comum nos Vinhos Verdes, os novos vinhos da Quinta de Monforte são versáteis, leves, suaves e, ao mesmo tempo, complexos e estruturados. Nesta dicotomia, percebemos que a modernidade dos Vinhos Verdes passa, também, por Penafiel.

Quinta de Monforte Integrada numa encosta com vista para a cidade de Penafiel, a Quinta de Monforte tem o encanto típico dos solares da região de Vinhos Verdes e ainda uma modernidade discreta. O mesmo acontece com os vinhos ali produzidos: aromáticos, leves e frescos, mas igualmente vinhos minerais e estruturados, na linha dos vinhos mais complexos que a região tem vindo, felizmente, a valorizar.

Quinta de Monforte A movimentação de solos permitiu a reorientação solar das parcelas e a melhoria da estrutura do solo. A par, foi construído um sistema de drenagem em toda a quinta e preservadas zonas de floresta (a área total da Quinta de Monforte tem de cerca de 100 hectares) que favorecem a manutenção de habitats muito diversificados.

Quinta de Monforte A escolha das castas a plantar recaiu maioritariamente nas típicas da região e do Vale do Sousa: Padeiro de Basto, Vinhão, Loureiro, Azal, Alvarinho e Fernão Pires, sendo que as diferentes parcelas de vinha foram plantadas numa cota entre os 300 e 400 metros de altitude.

Quinta de Monforte Continue a ler o artigo em No meu Palato.

Últimas