Escolher vinhos não é complicar

A experimentar

Quase todos os vinhos são bem feitos, mas nem todos valem o mesmo, e nesta avaliação contam tanto o gosto como a bolsa. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva.

Chegou o Soalheiro Alvarinho 2021, ou “Clássico”, como também é designado, por ter sido o primeiro vinho que a família Cerdeira fez com uvas da sua pequena parcela de vinha, exclusivamente de Alvarinho, numa encosta de Melgaço. Mantém-se fiel ao seu estilo: vinho de uma só casta – Alvarinho –, com o seu perfil floral e frutado único, a sua frescura e a sua versatilidade, que o recomenda para todas as ocasiões, pelo que deve estar sempre à mão. Mas o Soalheiro Alvarinho da colheita de 2021 também é o primeiro na certificação vegan, decorrente da certificação biológica das vinhas. Por tudo isso, e mais a qualidade, é muito bem-vindo!

Convém, igualmente, ter sempre à mão um vinho com estrutura, equilíbrio e caráter bem definidos, seja pelo simples desejo de o saborear, seja pela exigência de um prato mais intenso e rico. O Discórdia Reserva Tinto 2019, da Herdade Vale d’Évora, perto de Mértola, no Parque Natural do Vale do Guadiana, é um bom exemplo: concentrado, saboroso, com taninos polidos e acidez exata, está pronto para beber e mostra-se capaz de evoluir favoravelmente na garrafa, durante anos. (…)

Continue a ler o artigo em Visão.

Últimas