A verdadeira experiência dos kiosks japoneses chegou ao Parque das Nações e nós fomos testar

A experimentar

Fomos ao Japão instalado no Parque das Nações e podemos não ter tido sucesso no origami, mas acertámos em cheio em todos os pedidos. Descubra o conceito do AFURI Ramen + Dumpling.

Antes de entrarmos no novo restaurante AFURI Ramen + Dumpling, no Parque das Nações, em Lisboa, de portas abertas desde 19 de fevereiro, investigámos melhor o conceito. Ficámos a perceber que se trata de um restaurante em que a escolha é feita num ecrã e o pedido, confecionado segundo as receitas tradicionais japonesas seja quais forem as opções escolhidas, chega à mesa em minutos. E assim foi, o que não nos facilitou a vida.

É que no Japão, o hábito é entrar, pedir, quase engolir o caldo a ferver e sair minutos depois com uma das necessidades fisiológicas primárias, a fome, satisfeitas. Já nós, portugueses, quando vamos a um restaurante gostamos de sentar à mesa por longas horas a desfrutar da comida enquanto convivemos. E eis a vantagem do AFURI em Portugal: permite-nos viver ao nosso ritmo, mas com os ingredientes vindos diretamente do Japão, assim como a louça artesanal em que são servidos.

“A ideia é que o cliente tenha a experiência do Japão”, explica Tiago Pimentel, supervisor da marca em Portugal, à MAGG, acrescentando que “tudo é feito de raiz” no novo espaço. É o caso dos noodles que seguem a receita original e são feitos nas máquinas japonesas, únicas em Portugal, nas quais também são produzidas 300 gyosas numa hora. Quanto ao caldo dos ramens, é feito numa “panela com capacidade para 500 litros” que serve o novo AFURI Ramen + Dumpling e o AFURI Izakaya, no Chiado (conceito diferente que abriu em 2018 e junta sushi, ramen e grelhados).

Continue a ler o artigo em MAGG.

Últimas