A outra crise do turismo: a falta de trabalhadores

A experimentar

Há muito que o turismo tem falta de pessoas. A pandemia escondeu a debilidade durante alguns meses, mas o setor está preocupado. Subida de salários é uma resposta, mas não a única.

O problema não é de hoje, não nasceu com a pandemia e nem sequer é exclusivo do setor. O turismo está a braços com a falta de recursos humanos e há quem admita que esta vai ser a grande dor de cabeça já neste segundo semestre, com o verão e a tão esperada retoma. Mas antes de se chegar ao resultado desta equação é preciso conhecer os elementos que a compõem.

Em traços gerais, há três motivos que arrastaram o turismo para esta situação. O primeiro prende-se com questões demográficas e é mais ou menos transversal a várias áreas profissionais. Os outros dois são um pouco mais específicos. “Estamos a falar de três coisas. Uma é a questão demográfica – estamos a envelhecer e precisamos de pessoas. Outra é a da qualificação: o setor ainda tem recursos com baixas competências. Quando lançámos a Estratégia 2027, 60% das pessoas que trabalhavam no setor tinham o ensino básico. Agora, está um bocadinho melhor, estamos à volta de 54% a 55% com o ensino básico. A ideia é inverter a pirâmide: ter 60% com o ensino secundário ou profissional. A terceira questão tem que ver com a atratividade do setor, que é muito associado a salários baixos e a condições duras de trabalho”, começa por explicar Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.

Em 2019, o país viveu mais um ano de recordes no turismo e, já então, recorda Cristina Siza Vieira, a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) alertava para a necessidade de “captar mais formandos para as escolas de hotelaria, conseguir cativar para este setor, e para as dificuldades em encontrá-los”. “Os apontamentos que fazíamos eram o envelhecimento demográfico e a emigração – que nos anos da crise se tinha acentuado brutalmente. Estava a formar-se já a tempestade perfeita… que eclodiu com a pandemia”, diz a presidente da AHP.

Antes da covid, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) apontava que necessidades do setor na casa das 40 mil pessoas. Mais recentemente, em novembro, a AHP estimou que só a hotelaria em Portugal precisaria de cerca de 15 mil. E os números do Conselho Mundial de Viagens e Turismo revelados em dezembro previam que Portugal precisava de 85 mil trabalhadores.

Continue a ler o artigo em Dinheiro Vivo.

Últimas