Butelo e casulas no castelo: Bragança celebra símbolos gastronómicos transmontanos

A experimentar

Ao primeiro olhar é semelhante a outro enchido, mas o butelo só se descobre verdadeiramente depois de ser aberto. É, a par das casulas e dos cuscos, um dos mais dignos representantes da gastronomia de Trás-os-Montes, e pode ser provado até ao final de fevereiro.

Na região da Terra Fria, a lareira aquece as mãos arrefecidas pelos invernos rigorosos, é local de reunião, de confeções com panelas de ferro e ajuda a conservar os enchidos resultantes das matanças do porco. O proeminente butelo é um deles. É colocado sobre a fogueira, recebendo o calor e algum fumo para depois se consumir no “Sábado de Carnaval”. Para fazer o butelo, recorre-se ao bucho (e até à bexiga) do porco, recheando-o com ossos do espinhaço e costela de porco de raça bísara, ainda com carnes agarradas.
Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas