Restaurantes. A tradição conforta e manda… que se vá à Casa Nanda.

A experimentar

Esta morada familiar do Porto renovou-se, sem perder o amor ao sabor.

As mudanças! Momentos de sobressalto quando se têm os planos traçados ou cristalizados. Há quem se autoplanifique ao milímetro e por isso qualquer desvio o perturbe, mas também existem aqueles que assumem a existência como um destino traçado, sem se aperceberem que as traças já lhes corroem a rotina dos dias. Pode soar a raciocínio abstrato, mas este retrato pode transpor-se de pessoas para restaurantes. Os que mudam muito, mas nem sempre para melhor, os que não mudam e ficam a ouvir a orquestra de críticas a tocar e a deixarem a água entrar, os que se reinventam à procura de novos ventos, etc.

O que não nos tem faltado nestes longos tempos, são mudanças de vida e de planos. Todos vão ter o que contar daqui a muitos anos. Na área da restauração houve desespero e desnorte, mas também um assentar de ideias, aproveitando as dificuldades presentes para reescrever o futuro. Além dos inevitáveis encerramentos (infelizmente muitos), foram alguns os rejuvenescimentos. Um dos casos emblemáticos é a Casa Nanda. Nasceu em 1978, em plena Rua da Alegria para trazer felicidade à mesa com a sua cozinha familiar. Há uns anos a sociedade inicial alterou-se e deixou Fernanda como gerente única. Agora a sua filha Rosária é também anfitriã de uma sala renovada e menu refrescado.

Continue a ler o artigo em Expresso.

Últimas