https://static.globalnoticias.pt/dv/image.jpg?brand=DV&type=generate&guid=2ed34f84-3fc6-4541-b81c-35a416727dc2&w=350&h=232&t=20211214072411

Falta de contentores faz abrandar crescimento das exportações de vinho

A experimentar

https://static.globalnoticias.pt/dv/image.jpg?brand=DV&type=generate&guid=2ed34f84-3fc6-4541-b81c-35a416727dc2&w=350&h=232&t=20211214072411

As exportações de vinhos portugueses recuaram 5,3% em outubro, comparativamente a igual mês de 2020, ficando-se pelos 90,9 milhões de euros. São menos quase seis milhões de euros face ao período homólogo. No acumulado do ano, as exportações continuam a crescer, mas a um ritmo menor. “A falta de contentores para transporte de mercadorias começa a fazer sentir-se nas nossas exportações, o que é preocupante”, diz o presidente da ViniPortugal.

“Tenho tido vários produtores a dizerem-me que não conseguem exportar os seus vinhos por falta de contentores. Já não é uma questão de preços, que todos sabemos que dispararam no último ano, mas é mesmo a falta de disponibilidade de contentores. Isto aconteceu no meio do ano, mas está a agravar-se. Aliás, só assim se entende que, havendo uma grande apetências pelos vinhos portugueses, se assista a este desacelerar do ritmo de crescimento”, explicou Frederico Falcão ao DN/Dinheiro Vivo.

Nos primeiros cinco meses do ano, as exportções de vinho estavam a crescer 20%; em agosto o aumento acumulado já só era de 13%, mas, ainda assim, o setor acumulava a taxa de crescimento mais elevada desde o início do milénio.

Continue a ler este artigo em Dinheiro Vivo.

Últimas