A Tasca de José Avillez é uma das melhores experiências do Dubai

A experimentar

Fica no sexto piso do super luxuoso Hotel Mandarin Oriental Jumeira. Um repórter da NiT foi lá jantar.

O que haverá para dizer do Dubai? Ora bem, é um Emirado situado no Golfo Pérsico que nos últimos 25 anos cresceu no meio deserto, como um hino à ostentação, que vive do turismo, do setor imobiliário, com construção a perder de vista (tanto para o lado como para o ar) e projetos dos mais famosos arquitetos e engenheiros do mundo. Além disso, é um setor de serviços financeiros centrado numa fiscalidade super atrativa para as empresas.

Outra forma de descrever o Dubai é a seguinte: uma Disney para os milionários árabes e russos, onde 75 por cento da sua população é composta por expatriados em busca de dinheiro e com pouca vontade para falar sobre impostos — só recentemente é que passou a ser obrigatório pagar 5 por cento de IVA naquele país. Nas ruas reina um regime de ditadura opressora cheio de incoerências, onde por um lado o Dubai se quer afirmar como um centro mundial de negócios, com uma imagem de progresso para fora, mas onde tudo o que é ilegal está à vista de todos e ao alcance das maiores bolsas. No outro prato da balança está uma parte gigantesca da população que vive na miséria e assiste diariamente à violação de direitos humanos dos trabalhadores da construção civil.

Entre os dois parágrafos anteriores, ficará esta simples ideia: o Dubai é um sítio que amamos ou odiamos. Por aqui não se sente qualquer alma, tudo é tão artificial quanto as ilhas ou os canais que rodeiam os arranha-céus. Mas é uma cidade que, de facto, oferece o melhor que o dinheiro pode comprar. O Hotel Mandarin Oriental Jumeira é um belo exemplo disso. E foi precisamente lá que o chef português José Avillez instalou o seu primeiro projeto internacional. Está no sexto piso do hotel mais rentável do mundo — onde os quartos de 20 mil euros estão lotados durante meses seguidos —, com uma vista panorâmica sobre as praias do Golfo e para o fabuloso skyline urbano no lado oposto.

Os cones de tártaro de atum e o de wagyu fazem parte do menu.

Continue a ler o artigo em NIT.

Últimas