https://s3.observador.pt/wp-content/uploads/2021/06/04125519/alexdelriorestaurantesitio1.jpg

Bar, brunch no jardim e uma nova casa para o restaurante. O Valverde Hotel vai reabrir

A experimentar

https://s3.observador.pt/wp-content/uploads/2021/06/04125519/alexdelriorestaurantesitio1.jpg

O estigma dos restaurantes de hotel já devia estar morto e enterrado. O hotel Valverde, na Avenida da Liberdade, vai reabrir depois de obras de ampliação e traz um novo restaurante consigo — o Sítio.

É um hotel, mas faz parecer uma casa de família, com as mesmas caras que há anos recebem quem por ali entra e que fazem do Valverde um hotel de cidade para quem cá vive e não só para quem lá dorme. Em plena Avenida da Liberdade, passou os últimos três anos num processo de ampliação, uma empreitada que se mostra ao público a partir de dia 8 de junho, data da reabertura. Além de ter crescido para os lados, e ter visto o número de quartos ser aumentado, um dos destaques da nova vida do Valverde vai para o novo restaurante — com o mesmo nome do anterior — que abre já na parte renovada do hotel, o Sítio.

“Aqui é tudo muito pequenino, é muito boutique, e sabemos que quem nos visita dá muito valor à experiência. As pessoas querem meaningful travel”, explica Adélia Carvalho, diretora geral do Valverde Hotel. “Além dos nossos hóspedes temos muita gente que mora e trabalha em Lisboa que nos visita para vir ao restaurante. Com esta ampliação fazia sentido darmos outras condições ao espaço e criar um novo ambiente para o restaurante”. O nome Sítio mantém-se, apesar de todas as mudanças, uma vez que já faz parte da memória coletiva de quem visitava o restaurante.

Ao leme da cozinha vai continuar a chef Carla Sousa, que está de volta dos tachos do Valverde desde que este abriu, em 2014. As suas raízes cabo-verdianas deram-lhe o que precisava para seguir aquilo a que gosta de chamar de “cozinha espiritual”, aquela que é feita com sentimento e que alimenta tanto o corpo como a alma. Antes do Valverde, Carla passou pela Cervejaria Lusitana ao lado de Vítor Sobral, no Sétima Avenida com o chef Fausto Airoldi e no Penha Longa Resort com o chef Rui Calçada, e depois durante cinco anos no Bairro Alto Hotel, onde trabalhou com Henrique Sá Pessoa.

Continue a ler o artigo em Observador.

Últimas