O Pátio das Antigas: O Café das várias vidas

A experimentar

Coisas e loisas da Lisboa de outras eras.

Abriu no século XIX, chegou a fechar na década de 90, mas reabriu mais tarde, com o nome que tinha há mais de cem anos: Café Gelo.

Chamou-se Botequim do Gonzaga e Café Freitas antes de ser Café Gelo. É um dos cafés mais antigos de Lisboa, datando do século XIX. Foi sempre um lugar de conspiração, e frequentado por artistas, escritores, intelectuais e gente da política. Por lá passaram Alfredo Costa e Manuel Buíça, os assassinos do Rei D. Carlos e do Príncipe D. Luís Filipe, mas também Raul Leal e Fernando Pessoa, Mário Cesariny, Luiz Pacheco e Herberto Helder, estes membros de uma célebre tertúlia de surrealistas que lá se reunia, “O Grupo do Gelo”, e que se meteu em sarilhos com a polícia, e com a PIDE, durante uma manifestação proibida pelo governo, no 1.º de Maio de 1962.

Continue a ler o artigo em Time Out Lisboa.

Últimas