Fita Preta: O tempo do experimentalismo

A experimentar

A nova casa da Fita Preta, em Évora, está longe de parecer um típico edifício alentejano. Fotografada por entre vinhas, com o edificado em fundo, lembraria facilmente uma propriedade algures em Itália ou até num país do centro europeu. Não, nunca no Alentejo.

Inquieto por natureza, a curiosidade pela agora casa e adega foi crescendo em António Maçanita à medida que acumulava quilómetros na auto-estrada A6. “Queria um local que representasse o que queremos fazer”, diz-nos. Encontrou os proprietários e, depois de persuasivas negociações, assinou a aquisição. “Foi em 22 de dezembro de 2016”, relembra a data. “Agora é a nossa casa”.

Os anteriores proprietários do Paço do Morgado da Oliveira mantêm 13% da herdade e o acordo para ali realizarem eventos familiares. Mas este bonito edifício, que ora lembra um palacete ora um mosteiro, com imperfeições bem visíveis e traços temporais que denotam diferentes intervenções desde a origem (século XIII), é hoje a casa de António, da mulher Alexandra e das filhas.

Por possuir dimensões muito generosas e vários espaços interiores, as obras de requalificação irão permitir o usufruto enoturístico, incluindo o alojamento. Passo a passo, sem pressas, com o cuidado de preservar o carisma que se nota quando percorremos o palacete, onde ainda há lugar para uma capela e para salas onde estagiam vinhos (inox e barricas).

Do lado sul do pátio murado, um novo edifício com desenho de Tiago Sobral tem exterior forrado a cortiça e, no interior, a produção, o armazenamento e ainda uma loja de vinhos. É o lado menos encantatório do vinho, é certo, embora arquitetonicamente contextualizado no quadro geral e, em termos funcionais, inspirado nos exemplos californianos e franceses.

De algum modo, eis que entramos na fase da maturidade da Fita Preta. Não significa isso, porém, que haja a tentação do conforto. Aliás, nunca como nestes anos o projeto conheceu tanto experimentalismo. António Maçanita persegue a tentativa de encontrar uma resposta à questão “O que é o Alentejo?”.

Continue a ler o artigo em Revista de Vinhos.

Últimas