Três vinhos para celebrar

A experimentar

Tem cada qual seu perfil, mas em todos se reconhece caráter, equilíbrio, elegância. Numa palavra: qualidade. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva

Eis mais três propostas capazes de surpreender, agradar e convencer. Preste-se a devida atenção ao branco alentejano Castas Antigas 2018, pela razão singela de ser excelente, e aos tintos Pardusco Private 2017, de Monção e Melgaço, e Vallado Sousão 2017, do Douro, por terem não só qualidade mas também aptidão para acompanhar pratos de lampreia, que é a iguaria da época (o Pardusco, de perfil muito elegante, requer pratos sofisticados, pelo que a lampreia deverá ser cozinhada sem excessos de vinho nem de gordura – só azeite, do mais fino –, a fim de preservar o sabor único do ciclóstomo e o indispensável equilíbrio com o vinho).

Falando do Castas Antigas, produzido pela ACV – Vinhos de Talha, em Vila de Frades, concelho da Vidigueira, no Alentejo, por métodos ancestrais que remontam ao tempo dos romanos, pode dizer-se, no mínimo, que é impressionante. Só uvas de vinhas realmente antigas conseguem transmitir aos vinhos tal estrutura, complexidade, volume e caráter, que o método de vinificação em talha potencia.

Pardusco é um tinto da Região dos Vinhos Verdes, sub-região Monção e Melgaço, feito exclusivamente com uvas de uma casta antiga chamada Alvarelhão e localmente conhecida como Brancelho. Tem a assinatura do produtor e enólogo Anselmo Mendes, que é garantia de qualidade no mundo dos vinhos. Quem guarda a memória – e o gosto, porque o tem – do verde tinto tradicional com a sua cor muito escura, a acidez intensa e a adstringência por vezes agressiva, surpreenda-se com a extrema elegância e maviosidade aromática e gustativa desta obra-prima da Natureza e do homem, em parceria.

Sousão é o nome que se dá, no Douro, a uma casta de uvas que, no Minho, se chama Vinhão, e que é a base do verde tinto tradicional. Mudam os nomes, diferem os vinhos, mas não em tudo. Por exemplo, tanto um bom Vinhão quanto um bom Sousão acompanham garbosamente pratos de lampreia, seja em arroz ou à bordalesa, modos usuais de a confecionar, no forno, recheada, seca ou de outro modo. O Sousão da Quinta do Vallado é um clássico com boas provas dadas.

ACV Castas Antigas Vinho de Talha Alentejo Branco 2018
Feito com seis castas antigas – Síria, Antão-Vaz, Manteúdo, Perrum, Diagalves e Larião – de uma vinha com cerca de 40 anos, em talhas também antigas, à maneira tradicional, herdada dos romanos. Resulta um vinho esplendoroso de cor carregada, aroma complexo e surpreendentemente fino, paladar cheio e rico com fruta de qualidade, acidez crocante, equilíbrio. Final longo e sedutor. €35

Continue a ler o artigo em Visão.

Últimas