Pão-de-Ló: Estes são os 5 melhores para a mesa de Páscoa

A experimentar

Levam ovos, açúcar e farinha e não podem faltar à mesa na Páscoa. De massa seca ou mais húmida, eis cinco variedades de pão-de-ló para encomendar e receber em casa.

1. Pão-de-Ló de Margaride

A casa de 1900, situada no centro de Felgueiras, conta anos de história. Ainda antes de ser marca registada em 1893 por Leonor Rosa da Silva, quando passou a fornecer a Casa Real, já o pão-de-ló leve e fofo de Margaride, freguesia de Felgueiras, era feito há dezena de anos (há registos de 1730) por D. Clara Maria. Ainda cozidos a forno a lenha, em formas de barro, os bolos continuam a respeitar a receita antiga: ovos (com gemas e claras separadas, alguns inteiros), açúcar e farinha (adicionada só no final).

Depois de arrefecer, o pão-de-ló é colocado com todo o cuidado numa caixa octogonal, onde não falta uma folha com a história da casa e um naperon de papel. Com a mesma massa, fazem-se as Cavacas de Margaride, cobertas por uma calda depois de passarem cinco minutos pelo forno. Para receber o pão-de-ló a tempo da Páscoa, a encomenda deve ser feita até 31 de março. Fábrica do Pão de Ló de Margaride > Pç. da República, 304, Felgueiras > T. 255 312 121 > seg-dom 9h-12h30, 14h-19h > Entregas em todo o país > Encomendas paodelodemargaride.pt/loja > À venda: El Corte Inglès; Pastelaria Ribeiro (Parede); Charcutaria Riviera (Lisboa) e A Diplomata (Lisboa) > €15 (unidade, acresce €2 caixa)

Em Margaride, o pão-de-ló continua a ser cozido em formas de barro nos fornos a lenha. Foto: Lucília Monteiro

2. Pão-de-Ló de Alfeizerão

A Casa do Pão-de-Ló de Alfeizerão, fundada em 1925 pelo padre João Matos Vieira e membros da sua família, é a original e a mais conhecida da vila. A receita perde-se no tempo, mas conta-se que terá vindo do Mosteiro de Santa Maria de Cós, convento cisterciense feminino, fundado no século XII. Aquando das perseguições às ordens religiosas, muitas freiras terão encontrado refúgio em Alfeizerão, mais a sul, também no concelho de Alcobaça. A vila, próxima de S. Martinho do Porto, recebia visitas frequentes do rei D. Carlos e, diz a lenda, que numa dessas paragens para provar o bolo, uma freira não terá cumprido com o tempo de cozedura. O certo é que a versão agradou ao rei e a receita, transmitida a senhoras da terra, acabou por vingar.

No campeonato do pão-de-ló húmido, o de Alfeizerão rivaliza com o de Ovar. “Por serem cremosos, são parecidos, mas o processo de cozedura é completamente diferente: o nosso coze em forno alto, dentro de formas de cobre, durante pouco tempo; o de Ovar, pelo contrário, está muito tempo em forno lento”, conta Helena Monteiro de Castro, proprietária do negócio desde 1992. A casa contornou o confinamento e lançou-se agora nas entregas ao domicílio, tanto nas localidades próximas como na área metropolitana de Lisboa (desde que na margem norte). As encomendas (mínimo €20) podem ser feitas no site, por telefone ou email. Outros produtos estão disponíveis, como as empadas de galinha, também famosas. J.L. Casa Pão de Ló de Alfeizerão > Lg. do Pão de Ló, 3, Alfeizerão, Alcobaça > T. 262 999 558/ 96 397 1520 > seg-sex 8h-18h, sáb-dom 8h-13h > casa.pao-de-lo@sapo.pt, paodelo1925@gmail.com > paodeloemcasa.com > €10 (pequeno), €15 (médio), €20 (grande)

Continue a ler o artigo em Visão.

Últimas