Elegância e carácter: Três vinhos para o Dia do Pai

A experimentar

Uma oferta personalizada que se pretende à medida do gosto de quem a recebe, num dia que lhe é especialmente dedicado. Sugestão de três vinhos para o Dia do Pai, pelo crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva

Para o Dia do Pai, que ocorre a 19 de março em vários países, incluindo Portugal, é tempo de pensar num vinho adequado para comemorar essa data. Por se destinar a oferta, o vinho que vamos escolher deverá ir ao encontro das preferências da pessoa que desejamos mimar, não do nosso gosto pessoal. Mas como saber qual é o vinho que, naquele dia, poderá causar-lhe maior satisfação, tendo em conta os tipos e estilos de vinhos que mais aprecia, por um lado, e a quase infindável panóplia de marcas que o mercado apresenta, por outro? Há opções seguras entre vinhos e marcas que têm carácter e qualidade consistentes, como os que a seguir apresentamos.

Teixuga é a marca topo de gama da quinta do mesmo nome, em Nelas, no Dão, pertencente à empresa Caminhos Cruzados. Apesar de relativamente recentes, os vinhos Teixuga, branco e tinto, são personalizados e distintos, figurando já entre os melhores da região e, por consequência, do País. No branco, a casta Encruzado mostra toda a sua nobreza e dá origem a um vinho de perfil aparentemente austero, como o da colheita de 2015, mas com uma complexidade de aromas, de sabores e de estrutura invulgares. É um vinho de grande categoria em qualquer parte do mundo.

Nem só de vinhos do Porto se faz a história da casa Ramos Pinto – uma das mais antigas e prestigiadas da região –, mas também de vinhos do Douro de grande qualidade, com o branco e o tinto Duas Quintas Reserva no topo. O tinto 2017 resulta de um lote de uvas de parcelas selecionadas da Quinta de Ervamoira e da Quinta dos Bons Ares, situadas no Douro Superior. Toda a elegância e personalidade dos vinhos que delas se extraem está patente no Duas Quintas Reserva Tinto 2017.

Elegante e festivo, por definição, o espumante pode atingir níveis de requinte, como é o caso do Murganheira Millésime Bruto 2008. Trata-se de um dos espumantes especiais da conhecida empresa do vale do Varosa – algures entre a Beira e o Douro, num território propício à produção de vinhos de qualidade – que tem a virtude, entre outras, de agradar tanto sozinho, como a acompanhar a refeição, e de princípio ao fim.

Teixuga Dão Branco 2015

Elaborado com uvas de vinhas velhas, predominando a casta Encruzado. Fermentação iniciada em inox e terminada em barricas de carvalho francês, onde o vinho estagia 19 meses, com bâtonnage. Tem cor amarelo-palha profunda, aroma complexo com apontamentos abaunilhados a revelarem a boa integração da madeira, paladar envolvente e final impressivo, marcado pela untuosidade e pela frescura. É puro prazer. €51

Continue a ler o artigo em Visão.

Últimas