Antes e depois do Douro

A experimentar

Santa Marta de Penaguião, UNESCO, universidade de Trás-os-Montes, Gran Cruz, Ventozelo, Bordéus, Régua, Austrália, Lisboa, Martiniquaise ou Douro poderiam integrar o rol das modernas “tags” (ou palavras-chave) que acompanham um nome ou assunto. Neste caso, só poderiam ajustar-se a Jorge Dias.

O atual cargo de diretor-geral da Gran Cruz e das empresas da francesa Martiniquaise em Portugal é “apenas” uma gaveta no arquivo de Jorge Dias. O vinho e o Douro estão visceralmente ligados a uma carreira que começou pela docência na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e pelas cadeiras de Viticultura e Ampelologia. Corria o ano de 1993 quando chegou o convite a Bordeús, onde Jorge Dias fazia o doutoramento, para instalar o Instituto do Vinho (…)

Continue a ler o artigo em Jornal de Negócios.

Últimas