Abram-nos os restaurantes, por favor!

A experimentar

Sim, estou desesperado e o meu único consolo é que sei que não estou sozinho.

Todos sonhamos e choramos pelos nossos queridos restaurantes.

Abram-nos, por favor!

Em nome de uma sanidade que provavelmente vale mais do que a que a COVID já roubou.

Que não nos afecta só a cabeça, mas o coração e alma, esses verdadeiros amordaçados da pandemia.

Abram-me os restaurantes, por favor!

Porque ninguém me traz a casa aquela conversinha boa e vadia com que somos acolhidos mal entramos na porta e que se espreguiça nas últimas novidades da bola ou da política.

E também não me trazem aquele simbólico acto de sentar, com uma vénia distraída aos circunstantes, a deixar que os pezinhos escorreguem, canónicos, para debaixo da mesa, com o guardanapo de pano, ainda a cheirar a lavado, a agasalhar-nos o colo.

Nem o cheiro inesquecível do pão que abrimos ainda quente e que desfaz, com um imperceptível frigir, a manteiga fresca que nele se conforta.

Ou a patanisca que nos vem de entrada, ainda fervente com o polme fofo e macio, a rir-se para nós.

Ou a broa, as azeitonas, o vinho da casa, o prato do dia, o simples menu que…, não me trazem!

Abram-me os restaurantes, por favor!

Onde está a minha lampreia, tentadora e cativante que se entrega oferecida num molho espesso de bordalesa?

Onde está o meu sável, fino e crocante, mais as ovas que rescendem numa açorda vaporosa e macia?

Onde está o peixe na brasa de todos os restaurante que levam o cheiro inconfundível do mar português?

Onde está aquele magnífico cozido à portuguesa, que vem à mesa gorda de domingo, no restaurante favorito da família?

Onde estão as tripas que nos fazem orgulhosos conjurados do Porto e do Norte?

Onde está o leite creme queimado na hora, o pudim abade de priscos, o cafezinho no fim. Vai hoje com cheirinho?

Onde está?

Onde está o chef Natário, o chef Delfim, a chef Adozinda, a chef Inês e todos os cozinheiras e cozinheiras de Portugal?

Abram-me os restaurantes, por favor!

Porque tenho, porque temos, saudades de tudo!

Até da dolorosa conta, pedida sofridamente no fim com a chalaça de lhe não somarem a data!

Porque temos saudades e porque temos medo…

Medo verdadeiro que não voltem a abrir.

Medo genuíno de uma vida onde se possa comer online ou beber por um ipad qualquer.

Medo de nos perdermos sem o conforto e o afecto do que tínhamos.

Medo da ausência,

Medo da solidão!

Abram-nos os restaurantes, por favor!


António Souza Cardoso
AGAVI

 

Partilhe este texto:

Últimas