Francesinha: a sanduíche que cria paixões e discórdia

A experimentar

Onde se come, afinal, a melhor francesinha? As décadas passam e a pergunta continua sem resposta. Ou antes, com várias. Alvo de paixões, este prato de culto leva a variadas comparações e reivindicações, que de pouco ou nada servem. O importante é que cada restaurante faça bem a sua, com produtos de qualidade, explicam chefs e cozinheiros entendidos na matéria.

É sabido que não há consenso quanto à “melhor” francesinha, a sanduíche robusta, de sabor tradicionalmente picante, nascida no Porto. É um assunto de paixões, gera tanta discórdia como o futebol e, como este, tem muitos adeptos. Há quem se mantenha fiel a certos restaurantes, zelosos da sua receita e segredo; e quem queira provar as novidades e variantes. Se uns não a concebem sem carne, outros optam por francesinhas de marisco ou legumes.

A francesinha original, feita n’A Regaleira, restaurante da Baixa do Porto já encerrado, nasceu nos anos 1950, pela mão de um empregado retornado de França. Terá sido inspirada no “croque monsieur”, recorrendo aos ingredientes disponíveis: pão bijou, recheio de carnes assadas, enchidos, queijo e molho em abundância. “O que lhe dá a graça” é, justamente, esse molho com toque picante, feito com carnes, aparas e ossos de porco, tomate, cebola, cerveja e bebidas espirituosas, tudo cozinhado durante horas, diz o chef portuense Miguel Castro e Silva. Por vezes, ouve conversas sobre qual será “a” francesinha, mas não se envolve. “O português gosta de discutir estas coisas”, observa, divertido, confirmando haver um culto em torno do prato, que põe várias casas a competir entre si.

Miguel Castro e Silva. (Foto: Jorge Simão)

Uma das mais famosas é O Afonso, a casa portuense que ganhou fama mundial depois da visita feita por Anthony Bourdain, que por aqui passou em 2017 para provar a francesinha do restaurante, em gravações para a CNN. O fundador, Miguel Afonso, faz a versão tradicional, com ingredientes frescos e “de primeira qualidade”, em parte vindos da salsicharia Leandro, onde já se abastecia o pai – foi com ele que aprendeu a arte, no antigo Café Luso.

Continue a ler o artigo em Evasões.

Últimas