Foi você que pediu um robalo?

A experimentar

O take away de peixe e marisco é a última mordomia das entregas em casa. Há cada vez mais fornecedores e a oferta é cada vez mais diversificada. Do ouriço de mar ao robalo, da ostra ao chutoro, eis alguns dos serviços de Norte a Sul do país, para todas as ocasiões.

Para levar uma cabazada

Depois dos cabazes de hortícolas entrarem na vida (e nas casas) das pessoas como uma rotina, juntam-se agora os de peixe. A ideia é a mesma e tem associadas preocupações de sustentabilidade. O peixe é quase sempre fresco e os preços chegam a ser mais baratos do que os da banca do mercado. Mas as opções mais interessantes não permitem escolher a espécie, tal como o pescador não o consegue fazer quando lança a rede ou a linha de anzol. 

Entre os operadores mais estabelecidos no mercado, está o Cabaz do Peixe, que entrega na zona de Setúbal e Lisboa. Projecto da iniciativa da bióloga Catarina Grilo, com a Associação dos Armadores de Pesca Local e Artesanal do Centro e Sul, de Sesimbra, fixou vários pontos de entrega dos cabazes, em dias diferentes da semana, entre Sesimbra, Palmela e Lisboa. Basta encomendar no site e ir buscá-lo no dia certo. Um cabaz de 3 kg custa 25€.

Com a mesma filosofia, no Algarve encontramos o Cabaz Fresco Mar. Desta feita, reúne o pescado apanhado nas últimas 24 horas e tem à frente do projecto a Associação de Armadores de Pesca da Fuzeta. No site, não se pode escolher o peixe mas pode-se indicar três espécies de que não se gosta de uma lista enorme de possibilidades, algumas menos conhecidas, como a mucharra, o trombeteiro ou a tremelga. 

A partir da Figueira da Foz, por sua vez, opera a Peixinho da Lota. A empresa de Joana Filipe tem entregas próprias nos concelhos de Coimbra, Figueira da Foz, Leiria, Ourem, Tomar, Viseu, Santa Comba, Tondela, Mealhada e um site actualizado onde se pode tratar de tudo, desde a escolha do peixe à preparação. Para o resto do país, acrescem 6€ ao transporte até 5 kg, entregue por transportadora contratada. 

No Norte do país, a banca Canastra d’Angeiras, do mercado de Angeiras, em Matosinhos, continua a ser uma referência de qualidade e diversidade. Os recentes casos de Covid que levaram ao encerramento do mercado não travaram o comércio porta a porta, que acontece diariamente na zona do Grande Porto e de uma a duas vezes por semana para a zona de Famalicão, Cortegaça e Marco de Canaveses. Não há taxa de entrega nem consumo mínimo, mas, o proprietário explicou ao Eggas: “Não fazemos entregas de uma encomenda cujo lucro seja inferior às despesas de transporte, salvo exceções. Fazemos entregas de pequenas encomendas, sim, sobretudo neste momento em que vários clientes estão mais limitados desde que se situem na rota de outras encomendas.“ É justo, basta combinar. As encomendas podem ser feitas por telefone para o 933 366 649 ou para o email fernandojmaia@hotmail.com.

Para tratamento de chef

Os clientes mais exigentes e com apetites particulares também não ficam de mãos a abanar. O peixeiro dos chefs, como é conhecido, Pedro Bastos, da Nutrifresco, é provavemente a pessoa que mais sabe de pescado e de distribuição neste país. Habituado a fornecer restaurantes topo de gama de Norte a Sul de Portugal, ampliou a sua operação ao grande público durante o primeiro confinamento. O site do Peixe à Porta permite comprar desde um cherne inteiro a ouriços, ou então a optar por cabazes mais económicos de acordo com o que os vários colaboradores da empresa vão encontrando nas lotas de todo o país. Embalamento exemplar, com cuidados como o de fazer chegar as espinhas embaladas à parte, para aquele caldo de peixe sair perfeito. 

Para os residentes de Lisboa, os nomes de três mulheres marcam o peixe com maior consistência de frescura e diversidade. A começar no da saudosa Açucena Veloso, que tem na família um esteio seguro da continuidade do negócio no Mercado 31 de Janeiro, ao Saldanha, em Lisboa. A Peixaria Veloso continua a abastecer alguns dos melhores restaurantes de Lisboa, desde o Solar dos Presuntos ao Aron Sushi, e também assegura que o peixe chega à porta do cliente normal, na Grande Lisboa e na Margem Sul (sem taxa de entrega) através de encomendas pelo telefone 926 085 729 ou pelo email peixariaveloso.encomendas@gmail.com.

Também Teresa Cruz é uma referência, desta feita no Mercado de Alvalade, onde a sua banca Cantinho da Teresa é sempre a mais concorrida, por duas boas razões: qualidade e preço. Há desde pargos legítimos magníficos (esse rei dos mares portugueses), a salmonetes ou besugos de cachaço gordo. Só se fazem entregas em Lisboa, de terça-feira a sábado, mas não é cobrada qualquer taxa. 

O mesmo acontece com a Rosanamar, do Mercado da Ribeira, também em Lisboa, banca de peixes nobres e de primeira qualidade gerida por Rosa Cunha. Ainda há dias exibia na sua página de Facebook a barriga marmoreada de um tunídeo dos Açores, bem como chernes grandes e brilhantes. Encomendas para o 919215583, de preferência com antecedência, mas também costuma dar para fazer pedidos de última hora, para o próprio dia. 

Para quem quer a papinha toda feita 

No campeonato da comida pronta, o festim é servido quente ou frio, mas sempre pronto-a-comer. Começando no Porto, Vasco Coelho Santos e companhia têm andado ocupados com a mariscada. Cada encomenda dá para duas pessoas e traz o que o mar envia ao chef do Euskalduna, com pequenas confecções, como o lingueirão de escabeche ou o lavagante com abacate, e pontos de cozedura ao segundo. 

Euskalduna Studio

O mesmo rigor nos tempos e frescura exemplar se podem esperar do Gaveto, a instituição de Matosinhos, que acrescenta uma das lampreias à bordalesa mais reconhecidas do país. Manuel Pinheiro, o fundador, sugere que vá lá buscar e leve o seu próprio tacho. Depois, basta ferver em casa durante dois minutos e retirar a espuma do topo, um dos “segredos” do sucesso da bordalesa, segundo o próprio. Uma lampreia para uma pessoa custa 30€, por uma mista de marisco com lavagante, para duas pessoas, cobram-se 150€, com oferta de uma garrafa de vinho em compras superiores a 50€.

Restaurante O Gaveto

No mesmo campeonato, mas mais a Norte, o Camelo, da Apúlia, continua a ter uma das vitrinas de pescado mais brilhantes do país, com peixes de mar de topo e mão para a lampreia quer no arroz quer em forma de empadinhas, uma invenção gulosa que entrou no receituário do bicho. 

De regresso ao Porto, para quem prefere o peixe à moda do Japão, quer o Shiko, quer o Ichiban são duas opções seguras no sushi e sashimi. Para quem já anda a ressacar peixe cru, ambos têm menus muito completos na casa dos 20€.

Shiko

Em Lisboa, na primeira divisão do sushi clássico figura o Gojuu, restaurante na linha da tradição do Aya, do falecido mestre Takashi Yoshitake; e o Praia no Parque (961336188), que desde que contratou o chef Lucas Azevedo se tornou num balcão de referência. Para entregas num raio de 6 quilómetros, o Praia no Parque não cobra taxa.

GoJuu

Quanto a marisqueiras tradicionais em Lisboa, não há como contornar o Ramiro. A marisqueira mais célebre de Portugal (da Europa?) tem estado muito activa no take away. Vendem praticamente tudo o que se servia à mesa, dos carabineiros aos famosos pregos do lombo cheios de alho, com preços difíceis de bater e entregas próprias. 

Para quem não consegue viver sem ostras 

Para os loucos por ostras, crescem as possibilidades. A Aquanostra , um gigante da produção nacional, entrega ostras da variedade gigas em todo o país, em 24 horas. Cada unidade custa 1,58€ e no Dia dos Namorados quem for ao site pode ter um desconto de 5€ em encomendas de 30€.

Aquanostra

Já na zona de Setúbal, o Ostras sobre Rodas, que montou roulote em Setúbal e junto ao Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, durante o Verão, está a fazer entregas nas duas cidades, ainda que em Lisboa seja só ao fim-de-semana. 

Opções não faltam. Basta encomendar. Ah, peixinho lindo!


Ricardo Dias Felner
Escritor e Jornalista

 

Partilhe este texto:

Últimas