Os (meus) melhores de 2020 (restaurantes) | No Limiar da Eternidade

A experimentar

“O teu corpo não é um templo, é um parque de diversões. Por isso, aproveita a viagem.” Anthony Bourdain

A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar nela … duram uma eternidade, disse uma vez Clarice Lispector. É por isso que No Limiar da Eternidade me pareceu um excelente titulo para o anúncio dos melhores de 2020, no que aos restaurantes diz respeito (este é também um livro de Ken Follett, que serviu de “padrinho literário” aos prémios deste ano).

Os melhores de 2020Todos nós temos memórias relacionadas com a comida, algumas boas e outras más. O sabor, o cheiro e a textura dos alimentos podem ser extraordinariamente evocativos, trazendo-nos de volta algumas memórias, não apenas dos alimentos, mas também do lugar, das pessoas e do ambiente que partilhamos. A comida é um gatilho muito eficaz no reavivar dessas memórias mais profundas, dos sentimentos e das emoções.

Os melhores de 2020Segundo Massimo Bottura, existem poucos restaurantes onde podemos “comer” essas emoções, e esses são os verdadeiramente especiais. Para mim, quando o restaurante é capaz de acrescentar a arte e a cultura (que a comida merece) a essas emoções, estou no meu “parque de diversões ” favorito!!! 😉

Melhor Restaurante: Le Monument – Maison Albar Hotels Le Monumental Palace

Os melhores de 2020Esta foi uma sublime viagem gourmet proporcionada pelo Chefe Julien Montbabut que combinou diversos sabores, texturas, aromas, produtos e produtores regionais, viagens, inspirações, estórias, contrastes e surpresas. Houve ainda uma bonita invocação das tradições gastronómicas lusitanas alicerçada no melhor savoir-faire da cozinha francesa. Lá encontramos um menu em que cada prato conta uma história e que no final nos deixa com algo bem característico do nosso país … a saudade. Destaque ainda para o serviço exemplar, com chancela Diogo Matos, para a atmosfera ecléctica do restaurante e para a excelente harmonização vínica proposta pelo Marco Pereira. Há ali muita vontade de fazer bem, de fazer diferente, de fazer com requinte e de fazer com orgulho.

Os melhores de 2020

 

Restaurante Revelação: Cais da Villa

Os melhores de 2020Neste espaço de ambiente informal funciona o restaurante à carta, o wine bar com serviço de tapas e bifes, a garrafeira, uma esplanada (para os dias de sol) e um balcão a toda a largura, aberto sobre a cozinha do restaurante, que deixa antever um festival de sabores, texturas e cheiros. A conduzir este comboio gastronómico  está o Chefe Daniel Gomes que criou um menu de degustação sedutor, rico, complexo e que na sua heterogeneidade, no final, faz sentido nos sentidos que nos desperta. Assim nasce uma estrela

Os melhores de 2020

 

Melhor Restaurante tradicional: Restaurante Casa Chefe Victor Felisberto

Os melhores de 2020Nesta jangada entre o ontem e o amanhã, o chefe Victor Felisberto pratica uma cozinha aparentemente simples, mas refinada, carregada de sabor e potenciador das mais valias dos ingredientes frescos e locais. Há neste restaurante uma excelência gastronómica que promove uma bonita relação entre a tradição de ontem (nos salgados) e a inovação do amanhã (nas sobremesas).

Os melhores de 2020

Melhor Chefe: Rui Paula

Os melhores de 2020

Neste ano tivemos a oportunidade de experimentar os 3 restaurantes do Chefe Rui Paula, duas com o blogue e uma “à paisana” 😉 Os menus de todos eles estão enraizados no nosso cânone gastronómico e são sempre inteligentes, criativos e engenhosos, culminado num empratamento requintado. Os ingredientes são locais, mas na maior parte das vezes, trabalhados com técnicas e conceitos da nouvelle cuisine. A relação da gastronomia com os vinhos também é muito bem conseguida. Com o Chefe Rui Paula a tradição é servida elegantemente, no presente, mas com os olhos postos no amanhã, sempre focado no sabor, nas sensações e nas emoções que a comida nos transmite. Ele é inseparável dessas coisas … desde o princípio e isso nota-se a cada prato. Nota ainda para o modo resiliente, dinâmico, comprometido, multifacetado e dedicado (quase abnegado) com que o Chefe tem tentado fazer “frente” aos constrangimentos trazidos pela pandemia.

Os melhores de 2020

 

Chefe Revelação: Chefe Julien Montbabut

Os melhores de 2020Aqui a revelação não significa surpresa (o chefe já havia conquistado uma estrela Michelin no Le Restaurant do L’Hotel em Paris). A distinção tem a ver com o facto de, em menos de um ano, o chefe Julien se ter reinventado completamente, para nos passar a contar, de forma muito bonita, as suas histórias, aventuras e descobertas no nosso país, através de um menu de 14 momentos. Esta bonita viagem por entre os sabores é não só uma extraordinária, surpreendente, inovadora e epifânica experiência gastronómica, mas também uma das melhores ideias que tenho visto nos últimos tempos neste sector. Parabéns.

Os melhores de 2020

Jovem Promessa: Fábio Paiva

Os melhores de 2020O único dos Chefes “premiados” pelo blogue que ainda não ganhou uma estrela Michelin, e a palavra certa aqui é “ainda”, porque já está A 100 passos do desassossego… O constante e camaleónico jogo de temperaturas, aromas, sabores e texturas, por vezes assente na comunhão e noutras no contraste, que agrada tanto ao palato como ao intelecto, promovido no seu restaurante, faz com que o Fábio já pertença aquele grupo de Chefes que coloca as emoções, a arte e a identidade em tudo aquilo que nos leva à mesa.

Os melhores de 2020

Melhor Prato: Sapateira, mostarda Savora e yuzu, Le Monument – Maison Albar Hotels Le Monumental Palace

Os melhores de 2020

Já me apaixonei duas vezes por este prato. 😉 Uma criação genial, muito complexa (quer nos sabores quer nas texturas) e que nos remete para a riqueza do marisco, para a acidez adocicada do yuzo e para a cremosidade da mostarda. O abacate coloca todas estas sensações a dançarem “no mesmo tom” no nosso palato. Delicioso!!!

Os melhores de 2020

 

Melhor Prato Tradicional: Ovas de Choco com azeite, alho e coentros – Restaurante Casa Chefe Victor Felisberto

Os melhores de 2020

Não tenho muito a dizer sobre este prato, a não ser, simplesmente, que é bom, é muito bom.. Comida de conforto, divinal, carregada de mar, untuosidade e sabor. Vale, por si só, uma viagem a Abrantes. (Sempre que penso nestas ovas de choco, salivo. ;))

Os melhores de 2020

 

Melhor Sobremesa: Chocolate 62% com praliné de amendoim e avelã, gelado de café Arábica, merengues de caramelo e toffee e sablé de chocolate, Barão Fladgate

Os melhores de 2020Ganha também o “prémio” do prato cujo nome é mais comprido. 😉 É uma sobremesa intensa e delicada. Uma espécie de salada de frutos secos, café e chocolate, trajada de smoking que ganhou complexidade ao nível da textura, apresentação, sabor e harmonia. Muito bem conseguida e extremamente prazerosa. Um hino à vida, aos sabores ricos e à boa comida, onde o chocolate é rei… Como costuma dizer um amigo meu, “comia disto todos os dias”!!! 😉

Os melhores de 2020

 

Melhor Sobremesa tradicional: Pão-de-ló à CAISDAVILLA; Cais da Villa

Os melhores de 2020É servido com uma base de creme de ovos, frutos silvestres e sorvete de limão. Passeia-se sedutoramente na boca entre o quente e o frio, numa experiência glorifiada pelos contrastes. É muito saboroso, bem pensado e estrategicamente ponderado, como uma roda-viva de sensações e texturas que celebra o final da refeição. Tão bom que não acrescento muito mais sobre ele, apenas sugiro que o provem…

Os melhores de 2020

 

Melhor Harmonização: Le Monument – Maison Albar Hotels Le Monumental Palace (Lavagante azul cozido em rama de videira, alface e molho de vinho tinto do Douro, Horácio Simões Reserva Vinhas Velhas Castelão 2017)

Os melhores de 2020E lá voltamos nós ao Le Monument. Este lavagante, defumado na hora do serviço na mesa, carregava … tudo: mar, terra, originalidade, dedicação … e sabor, muito sabor. É assente em produtos locais e sazonais com a intenção de promover inesperadas conjugações e contrastes de sabores que no final se equilibram e ficam agarrados aos rochedos das nossas memórias. A harmonização com o tinto Horácio Simões Reserva Vinhas Velhas Castelão 2017 tão certeira quanto inusitada, potenciada pela adstringênia, groselha e bom volume de boca, é uma marca indelével da excelência que por ali se pratica.

Os melhores de 2020

 

Melhor carta vinhos: Rei dos Leitões

Os melhores de 2020Este é um restaurante, cujo nome, como já perceberam, tem tanto de verdadeiro, como de enganador: é sem dúvida o melhor “restaurante de leitão” do país, mas é mais, muito mais que isso, junta-se a esse reinado um serviço de excelência e uma cozinha de autor com alma e terroir. A oferta vínica é diversificadamente sedutora, o serviço exemplar e amigo (obrigado Fernando) e o ambiente descontraído. Nota ainda para as medidas de segurança implementadas, eficazes e protectoras, mas sem beliscar a privacidade e a descontracção que uma (boa) refeição em família exige…

Os melhores de 2020

 

Melhor sommelier: Elisabete Fernandes – The Yeatman

Os melhores de 2020A distinção não se deve apenas ao serviço de excelência que promove no restaurante gastronómico mas também ao dinamismo, primor e empenho que transporta para iniciativas no The Yeatman (este ano, algumas delas infelizmente não se realizaram), como a loja de vinhos, o Christmas Wine Experience, as Sunset Wine Parties, o clube de vinhos, os jantares com produtores,  ou o novo programa que junta o SPA e uma prova de vinhos. Em todas elas Elisabete Fernandes rima com excelência, requinte, profissionalismo e brindes. 😉

Os melhores de 2020

A escolha da Bia: Restaurante Arcadas – Pedro e Inês : Coração de mousse de manga e coco com sorvete de maracujá

Os melhores de 2020

Para última fica a distinção mais importante, a do prato que a Bia mais gostou.  Esta sobremesa evoca a história de Pedro e Inês, indissociável do cenário encantado da Quinta das Lágrimas. Para além de disfrutar deste saboroso, irreverente e tropical prato (as notas da Bia são o coração docinho e o gelado fresquinho) este é um local que permite fazer o que tantas vezes ansiamos: uma pausa na agitação do dia a dia, um retiro de conforto, natureza e paz num palácio do século XVIII rodeado de 12 hectares de jardins históricos, inúmeros séculos de estórias, muita água, e uma gastronomia com muita alma (tal foi a surpresa no nível de cozinha que lá encontramos que o restaurante vai ter direito a uma publicação própria. ;))

  Os melhores de 2020Obrigado a todos vós pelas emoções que nos proporcionaram durante o ano difícil que findou. Infelizmente e devido ao contexto pandémico não podemos corresponder a nem metade das solicitações que tivemos. Neste novo ano, e mal o maldito vírus permita, daremos prioridade aqueles com quem “falhamos” em 2020.   Estamos ávidos de voltar a fazer do nosso palato um parque de diversões. 😉

O artigo foi publicado originalmente em No meu Palato.

Últimas