Luís Pato – Wine Legends Portugal

A experimentar

“Senhor Baga” ou “senhor Bairrada” são alguns dos epítetos justamente atribuídos a Luís Pato. Nome maior do vinho português e um verdadeiro embaixador de Portugal, o seu reconhecimento internacional deve muito à iconoclastia, inconformismo e, até, rebeldia, que se sempre manifestou, inclusive até no interior da sua própria região. Basta recordar a decisão tomada em 1999 de abandonar a Denominação de Origem Controlada, decisão essa que reverteria alguns anos mais tarde.

A celebrar 40 anos de carreira em 2020, Luís Pato é o legítimo herdeiro de uma longa linhagem de produtores bairradinos, sendo que a sua família produz vinho na Quinta do Ribeirinho, Anadia, desde pelo menos o século XVIII. O seu pai, João Pato, foi um verdadeiro precursor da região e afirmou-se como o primeiro produtor/engarrafador na região da Bairrada depois da demarcação.

Engenheiro químico de formação, lança o primeiro vinho, um monovarietal da casta Baga, em 1980. A sua vocação experimentalista, feita de aprendizagens, erro e sucesso, tomou caminhos pioneiros na região, ao vinificar uvas sem engaço, a estagiar em barricas novas de carvalho francês e a lançar os primeiros “pé-franco”, verdadeiros tratados do vinho pré-filoxérico, bem como os ‘single vineyard’, como Vinha Barrosa, Vinha Barrio, Vinha Pan, Vinha das Valadas, Quinta do Ribeirinho Pé Franco e Vinha Formal.

O seu dedo não fica apenas nos vinhos que produz: Luís Pato criou uma marca em torno do seu nome, uma imagem reconhecida mundialmente e um estilo de comunicação que deixou frutos, replicado por agrupamentos como os Douro Boys e a Independent Winegrowers Association, que o próprio fundou e integra.

Esta marca está presente também na sucessão, seja através da filha Filipa Pato, que criou o seu próprio percurso mas conta com colaborações com o pai, seja no projeto Duckman, de vinhos artesanais criados por Luís e a filha Maria João Pato.

Continue a ler o artigo em Revista de Vinhos.

Últimas